Tamanho do texto

Vira lata Ginga, de três meses, foi adotada e ganhou um espaço totalmente preparado para ela dentro do estádio do Mineirão; conheça

O estádio Governador Magalhães Pinto, conhecido como Mineirão, ganhou uma mascote que agora faz a alegria dos funcionários e visitantes do local. A vira lata Ginga, de três meses, foi adotada e ganhou um espaço totalmente preparado para ela dentro do Gigante da Pampulha. Além de estar cercada de funcionários que lhe dão proteção e carinho, ela também se diverte nas dependências da arena, correndo pela grama sintética em companhia dos colaboradores, passeia pela Esplanada e recepciona os visitantes que se surpreendem com a bela filhote com olhos de cores diferentes.

Leia também: Carrasco brasileiro, Paolo Rossi celebra os 35 anos do tri mundial da Itália

“O Mineirão possui uma vocação natural para receber os animais.Na Esplanada já foram realizadasseis feiras de adoção de animais com enorme sucesso. Nos dias de jogos acontece também a Arcãobancada, onde os torcedores podem assistir às partidas junto de seus cães em um espaço especialmente preparado para eles. Com todas essas ações, pensamos: por que o Mineirão não tem seu próprio mascote?”, explica a gerente de Comunicação e Relações Institucionais do estádio, Ludmila Ximenes.

A cadelinha Ginga, adotada pelo estádio do Mineirão como nova mascote
Divulgação
A cadelinha Ginga, adotada pelo estádio do Mineirão como nova mascote

O nome da mascote foi escolhido em uma votação entre os funcionários. Bowie, Lambreta, Caneta e Dibra estavam entre as opções. “Tinham muitas opções interessantes, muitos nomes criativos, mas, em um templo do futebol, ginga é o que não pode faltar. Os colaboradores fizeram essa escolha e nós achamos que tem tudo a ver com ela e com o Mineirão”, detalha Ludmila. Para a gerente, Ginga foi paixão à primeira vista. “Assim que vimos uma foto dela, sabíamos que ela seria especial para o Mineirão”, detalha.

A cachorrinha foi doada ao estádio por uma menina de 10 anos, a Letícia, que se tornou a madrinha do bichinho. Ela pode visitá-la quantas vezes quiser e já foi até em um jogo na Arcãobancada para ficar pertinho da Ginga. “A atitude da Letícia foi muito bonita, porque ela entendeu que doando a cachorrinha para o Mineirão irá incentivar as pessoas a adotarem mais bichinhos com consciência, já que o estádio promove várias feiras de adoção de animais”, explica a estudante Adriane Cristina Diniz, mãe de Letícia.

Leia também: James Rodríguez deixa o Real Madrid e acerta com o Bayern de Munique

Para ela, todos os animais merecem a chance de serem amados, sendo eles vira-latas ao não. “A Letícia quer contribuir com isso e acha que a Ginga será muito importante nessa luta”, explica Adriane acrescentando que se ela pudesse, Letícia teria um canil em casa, pois quer adotar todos os cães abandonados que vê pela cidade.

Segundo as ONGs que promovem na Esplanada do estádio a adoção de animais, quem se disponibiliza a receber o cachorrinho ou gatinho em casa assina um documento em que se compromete a dar todo o amor e atenção aos bichinhos e, principalmente, não abandoná-los novamente, gerando uma adoção consciente. No local, Ginga é acompanhada constantemente por um adestrador que promove treinamentos para os funcionários voluntários que se interessaram em cuidar da mascote.

Leia também: Novela chega ao fim e Milan renova com Donnarumma até 2021

Gigante Amigo

O Mineirão é um espaço pet friendly, onde os animais são bem vindos. A Esplanada, por ser um local amplo e aberto, atrai várias pessoas que levam os seus bichinhos para passear por lá. Em uma ação pioneira no país, desde abril deste ano, existe a Arcãobancada, um camarote especialmente preparado para receber torcedores e seus animais de estimação em todos os jogos, com direito a buffet especial para os bichinhos.

    Leia tudo sobre: futebol