Tamanho do texto

Estádio corintiano ainda não tem "naming rights", diferente da arena do rival Palmeiras. Roberto de Andrade falou sobre isso

Roberto de Andrade, presidente do Corinthians
Meu Timão
Roberto de Andrade, presidente do Corinthians

Líder do Campeonato Brasileiro com uma boa vantagem sobre seus rivais, o Corinthians ainda convive com alguns problemas fora de campo e que dão bastante dor de cabeça. O principal deles é o fato de a sua Arena em Itaquera ainda não ter "naming rights", sendo que o clube precisa pagar o financiamento em meio à crise econômica que o Brasil vive.

Leia também: Ronaldo terá que indenizar jornalista por episódio ocorrido na Copa de 2002

Em entrevista ao "Estadão", Roberto de Andrade, presidente do Corinthians , explicou porque o estádio do time não tem um nome, diferente de outras arenas que foram construídas na época da Copa do Mundo de 2014, como a do Palmeiras, que conseguiu fechar com a Allianz.

"Não temos 'naming rights' porque ninguém se colocou a disposição para pagar. Você sabe o motivo? Me fala, pois eu não sei. Até onde sei, as empresas que não quiseram. Pensa que é fácil vender o nome de um estádio em um país que arena é um produto novo? Estamos falando de cifras altas e vivendo a maior crise da história do País, concorda comigo? Isso atinge todo o Brasil. São 12 milhões de desempregados. Como você quer que a empresa faça um investimento desse tamanho?", questionou o presidente.

Leia também: Goleiro do Milan é criticado por faltar em provas finais na escola

E ele admitiu o erro. "Nós deixamos para ir atrás disso (naming rights) quando a arena estava praticamente pronta. Erramos, podemos dizer assim, em esperar a arena ficar pronta. Pegamos um outro momento do País. Nós não temos bola de cristal. O Brasil naquela época estava muito bem, tudo crescendo e indo maravilhosamente bem. Não esperávamos que fosse acontecer tudo isso", explicou Roberto de Andrade.

Patrocinador do arquirrival

Roberto de Andrade citou o Palmeiras em outro momento da entrevista, no que diz respeito à parceria com a Crefisa. "Se o negócio é bom para a Crefisa e para o Palmeiras , vai atrapalhar em quê? Cada um sabe o que faz. Se está bom para ambos, tudo bem. Só acho que o acordo como o da Crefisa é muito difícil de conseguir", disse o presidente.

Leia também: Clube lança camisa de goleiro com efeito caleidoscópio para distrair atacantes

Negociação com Drogba

O presidente do Corinthians explicou ainda a frustração com o fracasso da chegada do atacante marfinense Drogba , que acabou virando piada entre os torcedores adversários porque o negócio era dado como certo. "Não teve negociação alguma. Virou novela porque vocês fazem um inferno de algo comum. É normal o dirigente conversar com jogador. Tudo isso só porque foi o Drogba. Ele é só um jogador estrangeiro, nada mais que isso. Tem nome, mas sabe com quantos outros a gente conversou? Não vejo essa depreciação toda que vocês deram ao caso", finalizou.

    Leia tudo sobre: Futebol