Tamanho do texto

Ex-presidente da CBF, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, negou que tenha recebido propina em troca de voto para escolha da Copa de 2022

Acusado pela Fifa de ter recebido propina para votar a favor do Catar ser escolhido como sede da Copa do Mundo de 2022 e de ter recebido valores ilícitos em outras ocasições, Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), ironizou o relatório Garcia , divulgado nesta terça-feira pela entidade .

Leia também: Árbitro de vídeo será usado novamente na decisão do Campeonato Pernambucano 

Ricardo Teixeira chamou o relatório feito por Michael Garcia, ex-promotor norte-americano, de inconclusivo, mesmo ser ter lido o documento que tem mais de 300 páginas e segundo ele só levanta suspeitas.

Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, chamou relatório Garcia, divulgado pela Fifa, de inconclusivo
Divulgação
Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, chamou relatório Garcia, divulgado pela Fifa, de inconclusivo

"Não li. Não vou ler um relatório que não é conclusivo. Tudo é 'se', 'teria'. Ele falou que levei dinheiro aqui ou ali? É só teria. Ele disse que recebi? Deixa eu dizer uma coisa para você entender: não recebi presente, não recebi presente e não recebi presente!", argumentou em entrevista concedida ao jornal Folha de S.Paulo nesta quarta-feira.

"Nunca recebi dinheiro da empresa do Sandro. Mas quero falar do relatório não conclusivo do Garcia. O relatório não é conclusivo", continuou.

Leia também: Após 28 anos, seis pessoas são indiciadas pela maior tragédia do futebol inglês

Aos 70 anos, Ricardo, que já é réu nos Estados Unidos e investigado na Espanha, negou que fará um acordo de delação com a Justiça norte-americana, assim como fez outros cartolas brasileiros.

"Não existe esse acordo. É ridículo dizerem que telefonei para o Sandro (Rosell, ex-presidente do Barcelona) combinando um lugar para morar (Ricardo Teixeira é investigado pela Justiça espanhola por corrupção). Quero ver a gravação dessa conversa", acrescentou e ressaltou.

Leia também: Semifinal é adiada na África porque ninguém apareceu para abrir o estádio

"Tem lugar mais seguro que o Brasil? Qual é o lugar? Vou fugir de quê, se aqui não sou acusado de nada? Você sabe que tudo que me acusam no exterior não é crime no Brasil. Não estou dizendo se fiz ou não".

Relação com Del Nero

Brevemente, Ricardo Teixeira ainda falou sobre a relação que tem com o atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que não sai do País por conta de investigações. "Falo. Mas desde que saí da CBF nunca fui lá. Acho que já passei tempo suficiente lá", disse. "Estou cansado de futebol. Tenho que cuidar da minha saúde. Sou um cara pela metade. Não tenho rim, pedi emprestando ao meu irmão. Não posso brincar. Já tenho 70 anos de idade", finalizou.

    Leia tudo sobre: Futebol