Tamanho do texto

Daniel Alves falou abertamente sobre a conturbada saída do Barcelona e contou segredos da vida, além da relação com o técnico Pep Guardiola

A saída de Daniel Alves do Barcelona em 2016 nunca foi totalmente explicada. Isso porque o lateral direito permaneceu no clube catalão por oito temporadas e conquistou tudo que tinha direito. Mas prestes a mais uma final de Liga dos Campeões , desta vez com a Juventus , o brasileiro resolveu falar.

Leia também: Final da Liga dos Campeões em Cardiff será a mais blindada de toda história

Em uma carta aberta escrita no site "The Players Tribune", Daniel Alves demonstrou que não esqueceu da maneira como deixou o Barcelona e que torceu para a ex-equipe nas quartas de final da Liga dos Campeões contra o Paris Saint-Germain.

Daniel Alves em ação com a camisa da Juventus. hoje ele é um dos principais jogadores do time, mas não esqueceu a saída do Barcelona
Reprodução/Twitter/ChampionsLeague
Daniel Alves em ação com a camisa da Juventus. hoje ele é um dos principais jogadores do time, mas não esqueceu a saída do Barcelona

"Fui desrespeitado pela cúpula dos dirigentes (do Barcelona) quando eu saí do clube no verão passado? Certamente que sim. É simplesmente a maneira como eu me sinto a respeito, e você jamais pode dizer algo diferente a esse respeito para mim", diz.

"Mas não é possível jogar por um clube ao longo de oito anos, e alcançar tudo o que nós alcançamos, e não ter esse mesmo clube no coração para sempre. Dirigentes, jogadores e membros do conselho vêm e vão. Mas o Barça nunca vai desaparecer. Quando eu fui para a Juventus, eu fiz uma promessa final para a cúpula do Barcelona. Eu disse, 'Vocês vão sentir saudades de mim'", acrescenta.

"Eu não quis dizer como jogador. O Barça tem muitos jogadores incríveis. O que eu quis dizer foi que eles iriam sentir saudade do meu espírito. Eles iriam sentir saudade de alguém que prezava tanto pelo ambiente e pelo clube. Eles iriam sentir saudade do sangue que eu derramei todas as vezes que eu coloquei a camisa do Barcelona".

Leia também: Juventus vende direitos e seu estádio passará a se chamar Allianz Stadium

"Três meses atrás, quando o Barcelona fez sua incrível remontada contra o Paris St-Germain pela Champions League, eu estava assistindo a cada lance sentado no meu sofá. Você podia pensar a partir da leitura dos jornais que eu esperava que meu antigo clube perdesse. Mas e quando meu irmão Neymar marcou aquele lindo gol de falta? Eu pulei do sofá e estava gritando para televisão. 'Vamooooooos'. Quando o Sergi Roberto operou aquele milagre aos 50 minutos do segundo tempo? Como todos os demais torcedores do Barça ao redor do mundo, eu estava ficando completamente maluco. Porque a verdade é que o Barcelona ainda está no meu sangue", revela o lateral.

Dani Alves contou ainda como foi enfrentar o ex-time na semifinal do torneio europeu.

"Quando eu tive de jogar contra o Barcelona na rodada seguinte, pelas quartas-de-final da Champions League, havia um sentimento bastante estranho no ar. Especialmente no segundo jogo, no Camp Nou, a sensação era a de que eu estava em casa de novo. Pouco antes do jogo começar, eu fui até o banco de reservas do Barcelona e cumprimentei meus colegas, e eles diziam: 'Dani, venha e sente aqui conosco. Nós guardamos o seu lugar, irmão'", continua.

Daniel Alves e Neymar quando lateral ainda jogava no Barcelona
Divulgação
Daniel Alves e Neymar quando lateral ainda jogava no Barcelona

O lateral direito revelou segredos de sua rotina pré-jogos. "Pouco antes de cada partida, eu sigo a mesma rotina. Eu fico de frente ao espelho por cinco minutos e bloqueio todo o resto. Então um filme começa a rodar na minha cabeça. É o filme da minha vida", diz.

O brasileiro de 34 anos exaltou também a parceria que teve com o técnico Pep Guardiola e com jogadores como Lionel Messi e Paulo Dybala . "Se você virar a palavra 'futebol' de trás para frente, vai aparecer Pep. Ele é um gênio. Vou dizer novamente. Um gênio. Pep contaria para você exatamente como tudo ia acontecer num jogo antes mesmo da partida começar", afirma.

Leia também: Buffon revela medo para final da Liga dos Campeões: "Preciso encontrar coragem"

"Por exemplo, o jogo contra o Real Madrid em 2010, quando nós ganhamos de 5-0? Pep nos disse antes do jogo, 'Hoje, vocês vão jogar futebol como se a bola fosse de fogo. A bola jamais ficará nos pés de vocês. Nem meio segundo. Se vocês fizerem isso, não haverá tempo para que eles nos pressionem. Nós ganharemos facilmente.' Quando nós saíamos de uma preleção como essa a sensação era de que o jogo já estava 3-0 para nós. Nós estávamos tão preparados, tão confiantes, que nós sentíamos que já saíamos ganhando", continua.

Daniel Alves sobre Pep Guardiola:
Reprodução
Daniel Alves sobre Pep Guardiola: "Ele é um gênio"

"No Barça, eu tinha o Messi. Na Juve, eu tenho o Dybala. Os gênios me seguem em todo o lugar, eu juro. Um dia, no treinamento, eu vi uma coisa no Dybala que eu vi no Messi. Não é apenas o dom do puro talento. Eu tenho visto isso muitas vezes na minha vida. É o dom do puro talento combinado com a vontade de conquistar o mundo", completa.

Final da Liga dos Campeões

Dani Alves pode conquistar a Tríplice Coroa neste sábado, quando a Juventus enfrenta o Real Madrid, às 15h45, no Millennium Stadium, em Cardiff, no País de Gales. Ele falou sobre a possibilidade de ser campeão mais uma vez e de como ele se prepara para enfrentar os melhores jogadores do mundo.

"Neste sábado, eu tenho a chance de conquistar a 35ª taça em 34 anos de vida na terra. É uma oportunidade especial para mim, e isso não tem nada a ver com provar para a cúpula do Barcelona que eles cometeram um erro ao me deixarem sair de lá. Eu sei que eles jamais vão admitir isso", ressalta.

Daniel Alves tentará 35ª conquista na carreira ao lado do jovem Dybala
Reprodução/Twitter/ChampionsLeague
Daniel Alves tentará 35ª conquista na carreira ao lado do jovem Dybala

"Preste atenção, vou te contar outro segredo. Antes de eu enfrentar os melhores atacantes do mundo – Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo – eu estudo as suas forças e as suas fraquezas como uma obsessão, e então eu planejo como vou atacar. Meu objetivo é mostrar ao mundo que Dani Alves está no mesmo nível. Talvez eles me driblem uma ou duas vezes. Certo, tudo bem. Mas eu irei para cima deles, também. Eu não quero ser invisível. Eu quero o palco. Mesmo aos 34 anos, depois de 34 troféus, eu sinto que tenho de provar isso todas as vezes", finaliza Daniel Alves.

    Leia tudo sobre: Futebol