Tamanho do texto

Professor de universidade na Arábia Saudita considera gesto cristão um desrespeito à religião islâmica

Fifa recebe pedido de saudita para proibição de gesto cristão
Reprodução
Fifa recebe pedido de saudita para proibição de gesto cristão

O clérigo, xeque e professor Mohammed Alarefe fez um pedido à Fifa para que a entidade proibisse todos os jogadores de fazerem o sinal da cruz durante as celebrações de gols. O mentor na Universidade de King Saud em Riade, capital da Arábia Saudita, alegou em sua conta no Twitter que o gesto é um desrespeito à sua religião.

LEIA TAMBÉM: Rooney perdeu mais de R$ 2 milhões durante duas horas em cassino, diz jornal

"Eu vi vídeos de atletas e jogadores de futebol correndo e, quando ganham ou marcam gols, fazem o sinal da cruz em seus peitos. Minha pergunta é: as regras da Fifa não proíbem isso?", questionou o saudita Mohammed Alarefe em sua rede social.




LEIA TAMBÉM: Jogador mais bem pago do mundo imita chinês em foto e é acusado de racismo

Polêmica

De acordo com o jornal britânico "The Daily Mail", assim que a publicação do professor de religião foi feita para seus mais de 17 mil seguidores, Mohammed recebeu dezenas de mensagens que discordavam com seu apontamento contra o gesto cristão. Alguns internautas, inclusive, chegaram a relembrar a grande quantidade de jogadores que se ajoelham e beijam o chão, imitando assim, a oração islâmica.

Religião sempre foi assunto colocado em pauta dentro dos esportes. Recentemente, o Real Madrid retirou a cruz cristã de seu escudo para que a camisa pudesse ser vendida em países Oriente Médio . Vale lembrar que o patrocinador principal do time espanhol é a companhia aérea Emirates, com sede em Dubai. 

LEIA TAMBÉM: Mesmo preso, goleiro Bruno tem figurinha no álbum do Brasileirão

"Até os muçulmanos celebram de suas próprias maneiras, Fifa nos una", escreveu um seguidor no Twitter. "Os esportes reunem todos os espectros sob a bandeira de entendimento e paz", escreveu um outro usuário. A entidade máxima do futebol ainda não se pronunciou sobre o assunto. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.