Tamanho do texto

Comandados de Eduardo Baptista precisam fazer ao menos 3 a 0 para levar a decisão para os pênaltis contra a Ponte Preta; força da torcida e semana de descanso são trunfo do Verdão, mas retrospecto recente joga contra

Torcedores do Palmeiras foram ao Centro de Treinamento do clube nesta sexta-feira (21) para apoiar jogadores
Divulgação/Mancha Verde
Torcedores do Palmeiras foram ao Centro de Treinamento do clube nesta sexta-feira (21) para apoiar jogadores

O Palmeiras encara às 19h deste sábado (22) o primeiro grande desafio de um ano em que as expectativas sobre o time são altíssimas. Diante de uma forte Ponte Preta que venceu o primeiro jogo das semifinais do Campeonato Paulista  por 3 a 0, a equipe comandada por Eduardo Baptista tem a dura tarefa de ao menos devolver o placar para levar a decisão para os pênaltis.

Apesar de o desafio ser grande, a torcida palmeirense abraçou a causa e deve lotar o Allianz Parque nesta noite: mais de 36 mil ingressos foram vendidos antecipadamente. Para inflamar esse sentimento de que o Palmeiras pode sim conquistar a classificação, o clube lançou nas redes sociais a campanha #AtéoApitoFinalPalmeiras. Mas será que dá mesmo? Confira abaixo cinco motivos para acreditar no Verdão (e outros cinco para duvidar).

Leia também: Palmeiras mostra intensidade e marca muitos gols nos minutos finais dos jogos

Vai dar Verdão!

Campanha #Atéoapitofinal mobiliza palmeirenses para a decisão contra a Ponte Preta no Paulistão
Reprodução/Instagram - @nynnotavares
Campanha #Atéoapitofinal mobiliza palmeirenses para a decisão contra a Ponte Preta no Paulistão

1 – Com o apoio da torcida, o Palmeiras é muito forte no Allianz Parque

Desde a inauguração do novo estádio do Palmeiras, em 2014, a comunhão entre o time e a torcida ganhou força e hoje o Verdão é muito forte em seus domínios. O atual campeão brasileiro está invicto há nove meses em seu estádio (a última derrota no Allianz Parque ocorreu em julho do ano passado, para o Atlético-MG).

A título de exemplo, o principal rival do alviverde, o Corinthians, inaugurou sua arena no mesmo ano em que o Palmeiras, mas a liga não foi a mesma. De lá pra cá, o time do Parque São Jorge foi eliminado seis vezes na Arena Corinthians – a última delas na quarta-feira (19), na Copa do Brasil. Já o Verdão conquistou, no mesmo período, dois títulos no Allianz Parque.

2 - Decisão no Paulista entre Palmeiras e Ponte Preta? Já vimos essa história...

O Palmeiras não é campeão do Paulistão desde 2008, ocasião em que a final foi disputada justamente contra a Ponte Preta. No primeiro jogo daquela decisão, o alviverde bateu a Macaca por 1 a 0, com gol de Kléber Gladiador. Na segunda partida, atropelo da equipe de Valdivia e cia.: 5 a 0 no Palestra Itália.

O placar do segundo jogo, por sinal, daria a classificação direta para o Palmeiras neste sábado.

Leia também: Copa do Brasil terá Palmeiras x Inter e Grêmio x Flu nas oitavas; veja os jogos

3 - Psicológico forte

O século 21 não tem sido lá muito agradável para o Verdão, mas há algo de diferente no espírito palestrino – especialmente após o quase rebaixamento de 2014.

O time tem provado seguidas vezes que não se abala facilmente, característica que pôde ser notada na vitoriosa campanha no último Campeonato Brasileiro, por exemplo. Pressionado por Flamengo, Santos e Atlético-MG, a equipe então comandada por Cuca manteve o foco e conquistou os pontos necessários para o eneacampeonato.

Neste ano, o 'Verdão inabalável' já deu as caras ao menos em três oportunidades: nas vitórias no último lance contra Jorge Wilstermann e Peñarol pela Libertadores, e na virada contra o Santos, na Vila Belmiro.

4 - Força máxima

Sem jogadores suspensos e/ou lesionados, o técnico Eduardo Baptista tem à sua disposição todo o elenco palestrino para escalar o time neste sábado. O único que não tem condições de jogar é o meia Moisés, mas este nem está mais inscrito no Paulistão.

5 - Time descansado

A derrota por 3 a 0 para a Ponte Preta no último fim de semana se deu quatro dias após o épico (e extenuante) confronto contra o Peñarol pela Libertadores.

Agora o técnico Eduardo Baptista teve a semana inteira para preparar sua equipe, que desta vez tem foco total em garantir a classificação contra o time de Campinas.

Vai dar Macaca!

Ex-Palmeiras, goleiro Aranha garantiu vitória da Ponte contra o Verdão na primeira fase e não deve facilitar para o ex-clube
Twitter/Reprodução
Ex-Palmeiras, goleiro Aranha garantiu vitória da Ponte contra o Verdão na primeira fase e não deve facilitar para o ex-clube

1 – A Ponte Preta não é qualquer time...

Pelo terceiro ano seguido, a equipe de Campinas está entre os 20 clubes que disputam na elite do Campeonato Brasileiro. No ano passado, inclusive, a Ponte Preta alcançou sua melhor campanha na história do torneio nacional, chegando a pleitear uma vaga na Libertadores (acabou em oitavo).

Em 2017, a equipe treinada por Gilson Kleina eliminou o Santos na fase anterior do Paulistão e vê no campeonato estadual sua única real chance de conquistar um título – fato que seria inédito nos 116 anos de história do clube.

2 – ... especialmente contra o Palmeiras!

Se normalmente a Ponte Preta já complica a vida dos considerados grandes clubes, quando o adversário é o Palmeiras parece que os campineiros levam a coisa ainda mais a sério.

Além dos 3 a 0 aplicados no Verdão no Moisés Lucarelli, a Macaca venceu também o time de Eduardo Baptista na primeira fase do Campeonato Paulista (1 a 0) e arrancou um empate por 2 a 2 na pré-temporada, em pleno Allianz Parque. No novo estádio do Palmeiras, aliás, a Ponte Preta jamais perdeu: foram duas vitórias e dois empates.

3 – Um vexame por ano?

Já mencionamos neste texto que o século 21 não tem sido lá aquelas coisas para o Palmeiras. E o período nebuloso para o alviverde paulista inclui uma série de vexames históricos, sina que teve início em 2002, com a eliminação para o Asa de Arapiraca (AL) na Copa do Brasil e o primeiro rebaixamento no Brasileirão.

Nos últimos anos, a relação de 'momentos para esquecer' teve: goleada por 4 a 1 para o Água Santa em 2016; goleada por 5 a 1 para a Chapecoense em 2015; goleada por 6 a 0 para o Goiás em 2014; e goleada por 6 a 2 para o Mirassol em 2013.

A eliminação neste sábado em pleno Allianz Parque poderá se tornar mais uma nota na retrospectiva de vexames do Palmeiras. 

4 – O foco do Palmeiras é outro

Caso seja eliminado para a Ponte Preta neste sábado, torcedores, jogadores, comissão técnica e qualquer um que vista verde neste planeta estará a postos para lançar mão da seguinte desculpa: "O foco do Palmeiras no ano é a Libertadores".

A eliminação, portanto, não seria um trauma insuperável para a equipe e isso pode fazer com que os jogadores palmeirenses não tenham a motivação necessária para fazer ao menos 3 a 0 na Ponte. 

5 – Aranha e, principalmente, Gilson Kleina

A chamada 'lei do ex' pode ser uma grande aliada para a Ponte Preta no confronto deste sábado. Embora o Verdão tenha em seu elenco vários atletas que passaram pelo clube de Campinas, como Tchê Tchê, Rafael Marques e Alecsandro, a Macaca conta com o goleiro Aranha e, principalmente, com o técnico Gilson Kleina.

Kleina foi o responsável pela campanha que trouxe o Palmeiras de volta à Série A do Brasileirão, em 2013. Mesmo contestado, o técnico foi mantido para o centenário do clube, mas acabou demitido após um começo de ano abaixo do esperado, com eliminação no Campeonato Paulista para o Ituano. Kleina disparou contra a diretoria palmeirense, e hoje parece ter um estímulo adicional para os confrontos contra o Palmeiras.

O veterano goleiro Aranha, por sua vez, já provou neste ano que não está nem um pouco afim de facilitar as coisas para seu ex-clube. Na vitória por 1 a 0 em jogo válido pela primeira fase do Paulistão, o arqueiro executou um milagre para evitar o gol que seria o de empate, em chute cruzado de Hyoran.

Leia também: Armação? Sorteio da Liga dos Campeões gera polêmica na internet; entenda