Tamanho do texto

"Se os explosivos tivessem sido detonados segundos antes, todo o ônibus teria sido atingido pelas explosões", disse um dos investigadores

As três explosões que atingiram o ônibus do Borussia Dortmund na última terça-feira, que feriu o zagueiro Marc Bartra e adiou a partida contra o Monaco pela Liga dos Campeões, por pouco não terminou em uma tragédia, conforme disse um dos investigadores da polícia federal alemã ao jornal local "Bild am Sonntag".

Leia também: "Foi o pior dia da minha vida", diz Bartra sobre atentado ao ônibus do Dortmund

De acordo com o investigador, se os explosivos fossem detonados um segundo antes, o ataque ao ônibus do Borussia poderia ter deixado até mortos.

Polícia investiga atentado a bomba contra o ônibus do Borussia Dortmund
DPA
Polícia investiga atentado a bomba contra o ônibus do Borussia Dortmund

"Se os explosivos tivessem sido detonados segundos antes, todo o ônibus teria sido atingido pelas explosões, que seguramente teriam deixado muitos feridos com gravidade e possivelmente mortos", afirmou neste ao diário.

O caso

Na última terça-feira, o elenco do Borrusia deixou o hotel L'Arrivée rumo ao estádio Signal Iduna Park, a 13 km de distância, onde enfrentaria o Monaco pelo jogo de ida das quartas de final da Liga dos Campeões. Poucos metros depois, logo na primeira curva, três explosões aconteceram na rua e pelo menos uma atingiu o ônibus.

O único ferido foi o zagueiro espanhol Bartra, que precisou ser submetido a uma cirurgia na mão direita.

Leia também: Iraquiano não possui ligação com ataque ao Borussia, diz polícia alemã

Um iraquiano de 26 anos foi detido já na quarta-feira como suspeito de ligações com o ataque ao ônibus, mas logo depois foi solto pela polícia alemã, que não encontrou nenhuma evidência de que ele tivesse relação com o atentado.

Apesar disso, talvez por conta da onda de ataques que sofreu a Europa nos últimos anos ou até mesmo preconceito com os muçulmanos, que, vale lembrar, não são terroristas, a Procuradoria Federal emitiu um pedido de mandato de prisão porque o homem pode ter envolvimento com o grupo terrorista autodenominado Estado Islâmico.

Pedido de paz

Único ferido do ataque, Marc Bartra publicou uma carta após deixar o hospital. Ele agradeceu o apoio que recebeu, relatou que foram os piores momentos de sua vida e pediu paz. Leia um trecho abaixo

"A única coisa que peço, a única, é que todos possam viver em paz. Obrigado aos doutores, enfermeiros, fisioterapeutas e pessoas que me ajudaram a me recuperar para que tudo fiquei perfeito. Também a milhões e milhões de pessoas, imprensa, organizações de todo tipo, ao Borussia, e companheiros, que me enviaram apoio e carinho", escreveu.

Leia também: Diego Costa revela que foi para o Chelsea por causa de José Mourinho

A partida

Adiado por um dia, o confronto aconteceu na quarta-feira, mas com o time visivelmente abalado psicologicamente, o Borussia foi derrotado por 3 a 2 e terá que vencer por dois gols na próxima quarta-feira, na França, para avançar à semifinal da competição.

    Leia tudo sobre: futebol