Tamanho do texto

Filho de Fia, Ian Gouveia é a única novidade dos brasileiros no tour

Ian Gouveia, filho do consagrado surfista Fábio Gouveia
Divulgação/Hang Loose
Ian Gouveia, filho do consagrado surfista Fábio Gouveia

O pernambucano Ian Gouveia é o mais novo brasileiro entre os top-34 da elite mundial de surfe. Além dele, o potiguar Jadson André também garantiu seu lugar no tour através da divisão de acesso.

Surfe: saiba tudo sobre o esporte e estilo de vida

Jadson já estava no WT, no entanto, não conseguiu reafirmar sua vaga no mundial pelos 22 primeiros colocados. Assim, em quinto lugar no QS, garantiu mais um ano disputando entre os 34 melhores do mundo. Ian Gouveia ocupava o sétimo lugar do ranking, mas perdeu no round três e desceu para a nona colocação, ficando assim, na expectativa para não perder sua vaga no CT.

Os dois foram confirmados no G-10 nas semifinais, quando o australiano Jack Freestone e o havaiano Ezekiel Lau perderam para o português Frederico Morais e o americano Tanner Gudauskas. Frederico também garantiu sua vaga no CT 2017 na final vencida pelo sul-africano Jordy Smith e assumiu a liderança no ranking da Tríplice Coroa Havaiana com dois vice-campeonatos consecutivos na ilha de Oahu.

O baiano Bino Lopes estava em oitavo no ranking do QS, mas foi eliminado na terceira fase e saiu dos top 10, perdendo sua vaga no mundial de 2017.

Leia mais: WSL divulga calendário 2017 do mundial de surfe

NOVIDADES WT 2017

Além de Ian Gouveia, 24 anos, mais cinco surfistas vão estrear no grupo dos melhores do mundo no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2017. Connor O´Leary, 23, em primeiro lugar no ranking, o também australiano Ethan Ewing com apenas 18 anos de idade em segundo, o português Frederico Morais, 24, em terceiro, o francês Joan Duru, 27, em quarto e o italiano Leonardo Fioravanti, 19, em sexto.

As outras quatro vagas do QS foram conquistadas por integrantes da elite que não conseguiram confirmar suas permanências entre os 22 primeiros no ranking do CT, que são mantidos no grupo dos top-34. É o caso do potiguar Jadson André, 26 anos, do quinto do ranking, o americano Kanoa Igarash, 19, do sétimo, Jeremy Flores, 28, da França, e do australiano Jack Freestone, 24, que conseguiu a última vaga nas semifinais da Vans World Cup.

Leia mais: Surfista australiano conta como escapou de ataque de tubarão com socos

O havaiano Ezekiel Lau ficou em 11º lugar e será o primeiro substituto do QS para suprir alguma ausência dos tops da elite no ano que vem. E o baiano Bino Lopes, em 12º, é o segundo, mas eles ainda podem se classificar para o CT, caso dois dos quatro tops que estão mantendo suas permanências pelo QS consigam entrar no grupo dos 22 primeiros colocados do ranking principal no Billabong Pipe Masters, que fecha a temporada no Havaí.

Miguel Pupo e Wiggolly Dantas também precisam confirmar seus nomes em Banzai Pipeline, pois eles estão entre os últimos no G-22 do CT. Wiggolly é o vigésimo do ranking e Miguel está em 21º. Além de Jadson e Ian pelo QS, cinco brasileiros estão garantidos pelo CT, os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina, Filipe Toledo, Italo Ferreira e Caio Ibelli. Dois perderam suas vagas e vão ter que disputar o QS em 2017, Alejo Muniz e Alex Ribeiro. A etapa final do Samsung Galaxy World Surf League Tour 2016 será de 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline, fechando a Tríplice Coroa Havaiana na ilha de Oahu.

    Leia tudo sobre: surfe