Tamanho do texto

Marina Storchi, noiva do lateral da Chapecoense, teve um pressentimento antes da viagem à Colômbia

Marina e Alan Ruschel, lateral esquerdo da Chapecoense
Reprodução/Facebook
Marina e Alan Ruschel, lateral esquerdo da Chapecoense

Dois dias antes da viagem de Alan Ruschel para a Colômbia, a noiva do jogador da Chapecoense, a designer gaúcha Marina Storchi, pediu para que ele não fosse viajar.

Leia mais: Cresce hipótese de falta de combustível em avião da Chapecoense

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Marina contou que o passaporte do lateral esquerdo da Chapecoense havia desaparecido de casa. "Um dia, vi o passaporte em cima da mesa. Dois dias depois, havia sumido. Reviramos tudo. Procurei até no lixo. E nada do passaporte do guri."

Marina tinha uma viagem marcada para a Austrália com a mãe, mas cancelou a visita ao irmão que mora na Oceania quinze dias atrás por conta de um pressentimento. "Não sei o que me deu. Estava tudo comprado. Mas tive certeza de que não era para eu ir".

Leia mais: O impacto da tragédia da Chapecoense na cidade de um time só

Com o sumiço do passaporte de Alan, Marina disse "'Fala que tu tá com alguma dor porque não é pra tu ir nesta viagem!'. Mas ele é comprometido demais". No entanto, a entrada de brasileiros na Colômbia é possível somente com a apresentação do RG.

Alan Ruschel foi o primeiro dos seis sobreviventes resgatados dos destroços do avião. Além do lateral de 27 anos, o zagueiro Hélio Zampier Neto, o goleiro Jackson Follmann, o jornalista Rafael Henzel e os membros da tripulação Ximena Suarez e Erwin Tumiri também foram encontrados com vida.

Leia mais: Conheça mais sobre os sobreviventes da tragédia da Chapecoense

Casamento

Em entrevista à Rádio Gaúcha, Marina contou que ficou sabendo do acidente durante a madrugada e pela televisão. "Eu tinha combinado com ele de que quando chegasse, ele me ligasse. A gente tinha combinado mais ou menos uma da manhã no horário do Brasil. Aí uma hora ele não ligou, uma e meia não ligou... Eu pensei: atrasou. Aí mandei mensagem pra ele pedindo pra ele me ligar e ele não me ligou. Umas três da manhã alguma coisa me acordou, e eu liguei a TV e tava nisso".

Marina passou o dia inteiro da terça-feira (29) na sede da Chapecoense reunida com familiares de vítimas e jogadores do clube que não estavam no vôo. "O Alan é tudo pra mim. Hoje mesmo fui marcar o casamento. Eu só quero que ele fale comigo, que alguém me fale alguma coisa."

    Leia tudo sobre: futebol