Tamanho do texto

Loiro e cabeludo, Valderrama tem apenas três conquistas na carreira e 11 gols anotados pela seleção do seu país

Valderrama, ídolo colombiano
Federação Colombiana
Valderrama, ídolo colombiano

Carlos Alberto Valderrama Palacio, ou apenas Valderrama, é o excêntrico ex-jogador colombiano que brilhou nas décadas de 80 e 90. Dificilmente uma pessoa que goste de futebol não tenha ouvido falar do meio-campista bom de bola e que tinha a vasta cabeleira loira estilo black power como sua principal marca. Além, claro, de encantar nos gramados com seu jogo técnico e bastante habilidoso.

Veja também: Valderrama põe fim à cabeleira de 20 anos; veja a foto

Mas um dos maiores ídolos do futebol colombiano tem poucos títulos no currículo. A rigor, Valderrama  foi campeão apenas três vezes na carreira: uma Copa da França pelo Montpellier, em 1990, e dois Campeonatos Colombianos, em 1993 e 1995, ambos vestindo a camisa do Junior de Barranquilla. Pela seleção nacional, as melhores performances foram em 1987, 1991, 1993 e 1995, com o terceiro lugar na Copa América de cada edição.

Individualmente, as honrarias são maiores. O ex-jogador de 54 anos de idade já foi eleito o "Rei das Américas" (1987), melhor jogador da Copa América (1987), esportista colombiano do ano (1993) e jogador mais valioso da MLS (1996), além de ser incluído no seleto "Clube dos 100" da Fifa, com os maiores nomes da história do futebol mundial, entre outras premiações.

O inesquecível 5 a 0 na Argentina

Um dos resultados mais expressivos da Colômbia em toda história foi o 5 a 0 aplicado sobre a Argentina, dentro de Buenos Aires, nas eliminatórias para Copa do Mundo de 1994 - o jogo foi realizado em 5 de setembro de 1993. Valderrama não marcou neste duelo, mas comandou a sua equipe com liderança e lances geniais. O jogador, na verdade, marcou apenas 11 gols pela seleção.

Veja também: Novela sobre geração de Valderrama e Higuita é campeã de audiência

Neste duelo contra os argentinos, Rincón fez o primeiro gol da partida, recebendo passe de Valderrama. Na etapa final, Asprilla (2), Rincón e Valencia decretaram o massacre, sendo que o último tento teve participação direta do camisa 10, que iniciou a jogada com um lançamento preciso do seu campo de defesa.

Relembre os gols do duelo


A goleada sobre a Argentina credenciou a Colômbia como uma das grandes favoritas ao título da Copa do Mundo de 1994, mas a seleção decepcionou e não passou da primeira fase, ficando na última colocação do grupo A. Na campanha, derrota por 3 a 1 na estreia diante da Romênia; novo revés, dessa vez por 2 a 1, contra o anfitrião Estados Unidos; e vitória insuficiente sobre a Suíça por 2 a 0.

Clubes e aposentadoria

Carlos Valderrama em ação
Getty Images
Carlos Valderrama em ação

Valderrama jogou por 10 clubes na carreira, iniciando sua trajetória no modesto Unión Magdalena, da Colômbia . No seu país, "El Pibe", como era chamado, também atuou por Millonarios, Deportivo Cali, Independiente Medellin e Junior de Barranquilla. No exterior, teve passagens por Montpellier (França), Valladolid (Espanha), Tampa Bay Mutiny (EUA), Miami Fusion (EUA) e Colorado Rapids (EUA), este último onde encerrou a carreira, em 2004.

Veja também: Como Taffarel foi do interior do Rio Grande do Sul à glória na seleção

Depois de aposentado, Valderrama teve diversas funções, algumas dentro do futebol. Chegou a trabalhar como assistente técnico do Junior de Barranquilla, em 2007, e entrou em campo por torneios amadores do seu país, mas nada profissional. A partir de 2013, o ex-atleta decidiu se arriscar na vida política e se filiou ao Partido de la U (Partido Social de Unidad Nacional), concorrendo a uma vaga no senado.

    Leia tudo sobre: Futebol