Flamengo e Palmeiras fizeram um dos melhores jogos dos últimos tempos
Reprodução/Flamengo
Flamengo e Palmeiras fizeram um dos melhores jogos dos últimos tempos

A final da Supercopa do Brasil entre Flamengo e Palmeiras  foi algo prazeroso de se assistir. Um jogo aberto, criativo, onde ambas equipes não se acuaram e decidiram jogar o futebol que tanto se cobra de times com alto investimento. E não faltou emoção. Golaço, técnico expulso, virada, discussões, pênaltis – o futebol respira.


Torcedores de ambas equipes devem sentir orgulho de assistir uma final tão boa tecnicamente como foi deste domingo. Um jogo que não bastou terminar nos 90 minuto e precisou ser resolvido nas penalidades, com 18 cobranças batidas, consagrando o Flamengo bicampeão  da competição.

Diversos fatores influenciaram para que nenhuma das duas equipes tivesse um domínio absoluto do confronto. O golaço – com G maiúsculo – de Raphael Veiga logo no início de partida foi um baque para o Rubro-Negro. A defesa do time carioca, que é reconhecida por ter uma boa saída de bola e ter evoluído nos últimos jogos, voltou a falhar. Contudo, não bastou muito tempo para o Flamengo acordar para a partida.

Você viu?

Gerson, meia pensante do Rubro-Negro, não estava nos seus melhores dias, e teve uma atuação discreta para a sorte do adversário. Mas, se o 'coringa' não foi bem, Diego e Arrascaeta não decepcionaram e foram fundamentais para trazer perigo para a defensa palmeirense.

Comandada por Leandro Pedro Vuaden, a arbitragem foi um 'show' a parte na grande final. Expulsou no primeiro tempo o técnico Abel Ferreira e na segunda etapa seu auxiliar, João Martins. E, claro, cartões não faltaram para os atletas. Abel, por sua vez, não poupou críticas e saiu irritado com a maneira como foi conduzida a partida. É de se contestar. 

A partida de hoje mostra, sim, que equipes brasileiras podem jogar um bom futebol. À frente de Flamengo e Palmeiras, dois técnicos jovens e que ainda estão em evolução, mas que representam o futuro, fizeram bonito. Com o título de hoje, Ceni, em quatro anos como treinador profissional, chegou ao seu sexto troféu. Nada mal, não é mesmo?

A segunda edição da Supercopa do Brasil foi emocionante, e a certeza que fica é que esse jogo será utilizado para mostrar como se joga um futebol ‘jogado’.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários