Tamanho do texto

No próximo sábado (14), a lutadora brasileira defenderá seu cinturão peso-galo contra Germaine de Randamie, no UFC 245, em Las Vegas

Amanda Nunes com os dois cinturões do UFC arrow-options
Divulgação
Amanda Nunes com os dois cinturões do UFC

Campeã peso-galo (61 kg) e peso-pena (66 kg) do UFC, Amanda Nunes está consolidada no ‘hall’ dos maiores atletas de MMA da atualidade, independentemente do gênero. De fato, os últimos anos de sua carreira apontam para que a brasileira seja considerada uma das melhores lutadoras de todos os tempos, se não a melhor. Porém, o seu domínio sobre o resto da competição pode jogar contra seu próprio legado a partir de agora.

Leia também: A importância da reestreia de José Aldo em meio a um cenário carente de ídolos

No próximo sábado (14), Amanda defenderá seu cinturão peso-galo contra Germaine de Randamie , no UFC 245 , em Las Vegas (EUA). A rival – primeira colocada no ranking da divisão – vem de cinco triunfos consecutivos, mas já foi derrotada pela brasileira em 2013. Este é um dos principais problemas que Amanda deve encontrar a partir de agora, já que os principais nomes do plantel do Ultimate ou já foram superados por ela ou não configuram real perigo para seu reinado.

Algumas, como Valentina Shevchenko – atual campeã peso-mosca (57 kg) do Ultimate e com duas derrotas para Amanda em seu cartel –, inclusive mudaram de categoria, ‘fugindo’ da ‘Leoa’. Outros nomes importantes, e que também foram superados pela brasileira, já não fazem mais parte do elenco do UFC , como Ronda Rousey e Cris ‘Cyborg’.

Amanda Nunes nocauteia Cris Cyborg%2C conquista o segundo cinturão e faz história no UFC 232 arrow-options
UFC/Divulgação
Amanda Nunes nocauteia Cris Cyborg, conquista o segundo cinturão e faz história no UFC 232

No peso-pena a situação parece ser a mais crítica. O UFC nunca investiu de verdade no fortalecimento da categoria, desde a época em que ‘Cyborg’ dominava a divisão. Tanto que suas oponentes eram, em geral, rivais oriundas de categorias mais leves. O descaso é tanto que até hoje, já com Amanda como campeã, o Ultimate ainda não conseguiu montar um ranking das 15 principais atletas da divisão.

Desde a conquista da baiana sobre ‘Cyborg’, em dezembro de 2018, a categoria está praticamente parada sem nova disputa pelo título. E, ao que tudo indica, passará mais alguns meses sem ação, já que Amanda lutará neste sábado como uma peso-galo.

Amanda Nunes arrow-options
Divulgação
Amanda Nunes

Grandes campeões não têm culpa se os talentos se tornan raros no período em que reinam em suas categorias, mas podem ser lembrados por isso no futuro. Aconteceu com Anderson Silva, que durante anos dominou o peso-médio do UFC . Ainda que não tenha seu talento questionado, o ‘Spider’ passou a ser visto com olhos diferentes por fãs e especialistas justamente em razão da questionável qualidade de alguns de seus desafiantes.

E pode acontecer com Amanda Nunes , indiscutivelmente uma das melhores de todos os tempos – assim como Anderson –, mas que terá dificuldades em achar oponentes realmente à altura no futuro próximo. Não por sua culpa, claro, afinal a baiana já superou todos os grandes nomes que foram colocados na sua frente dentro do octógono, incluindo seis detentoras de cinturões.

    Leia tudo sobre: Luta