Tamanho do texto

Para o MMA brasileiro, é importantíssimo que isso aconteça. Afinal de contas, atualmente contamos com apenas uma campeã no UFC

José Aldo no UFC arrow-options
Reprodução
José Aldo no UFC

Já consolidado como um dos maiores pesos-penas (66 kg) da história do MMA, José Aldo dará, no próximo sábado (14), um passo que pode significar a retomada da impactante carreira que o consagrou como o ‘Campeão do Povo’. Mas mais do que isso, seu confronto diante de Marlon Moraes, no UFC 245, em Las Vegas (EUA), pode trazer de volta a imagem de um ídolo nacional que o Brasil tanto carece nas artes marciais mistas – sobretudo na modalidade masculina.

Leia também: Vale a pena deixar o MMA competitivo de lado para focar no espetáculo?

Afinal de contas, após anos competindo na mesma categoria, Aldo decidiu descer de divisão e iniciar uma nova empreitada nos pesos-galos (61 kg) do Ultimate. A decisão gerou controvérsias entre os especialistas, já que, aos 33 anos, o brasileiro sofreria um corte de peso ainda mais severo para atingir o limite da nova categoria. Por outro lado, há quem apoie a iniciativa, ao afirmar que os novos objetivos podem renovar o ânimo do atleta da ‘Nova União’ e, por tabela, trazer o ‘velho Aldo’, dos tempos áureos, de volta.

O resultado imediato da decisão do ex-campeão peso-pena do UFC nós só veremos no próximo sábado, dentro do octógono. Mas se formos levar em consideração o que Aldo e seus companheiros e amigos de treino têm declarado, as expectativas são altas. Indo de encontro aos críticos que condenam sua descida aos pesos-galos, o brasileiro garante que, acompanhado de profissionais especializados, tem lidado bem com a dieta severa.

Este fator, inclusive, pode vir a ser um divisor de águas na carreira de Aldo. Quando atuava nos pesos-penas, o brasileiro nunca seguiu uma dieta à risca – inclusive se permitia algumas regalias como churrascos ao longo de seu camp, como revelou Léo Santos, amigo e companheiro de equipe na Nova União. Mas para este confronto, pela primeira vez na carreira, o Campeão do Povo tem se policiado ao máximo em sua alimentação. E isso pode gerar um ganho de performance e um salto de patamar para recolocar Aldo na elite do esporte.

José Aldo foi derrotado por Alexander Volkanovski no UFC 237 arrow-options
UFC/Divulgação
José Aldo foi derrotado por Alexander Volkanovski no UFC 237

E para o MMA brasileiro, é importantíssimo que isso aconteça. Afinal de contas, atualmente contamos com apenas uma campeã no UFC - nenhum homem detém um título na maior liga do planeta. E por mais que Amanda Nunes – campeã peso-galo e peso-pena no Ultimate – seja uma unanimidade no esporte e apontada, inclusive, como a maior de todos os tempos, sua influência sobre os fãs de seu país ainda não alcançou o patamar que ex-campeões como Anderson Silva, Rodrigo ‘Minotauro’, Vitor Belfort e o próprio José Aldo atingiram.

Leia também: Ascensão e queda de "Moicano" são exemplos da magia cruel do MMA

E em meio a um cenário do MMA nacional que sofre para revelar novos campeões e, por tabela, novos ídolos, o único atleta que chegou a atingir este patamar de astro no Brasil e ainda pode sustentá-lo em alto nível é Aldo. E a mudança para os pesos-galos parece ter esclarecido isso na cabeça do atleta da Nova União, que mudou totalmente sua postura em relação à carreira. Antes desmotivado e pensando em se aposentar, o Campeão do Povo atualmente esbanja bom humor, representado por um sorriso estampado no rosto que poucas vezes foi visto em suas entrevistas passadas, a ponto de seu foco passar a ser competir até aos 40 anos.

Sendo assim, é fácil afirmar que o brasileiro está apostando todas suas fichas e se dedicando mais do que nunca para esta nova empreitada. E nos pesos-galos, Aldo tem novos desafios, novos adversários e um novo cinturão para conquistar. E para isso, o veterano tem apenas que reencontrar suas raízes e voltar a ser o bom e velho Aldo que os fãs ao redor do mundo se acostumaram a assistir.

José Aldo já teve o cinturão do UFC arrow-options
Divulgação
José Aldo já teve o cinturão do UFC

Neste sábado, em meio a um ‘supercard’ com três disputas de cinturão, a luta do brasileiro ficará em segundo plano. Talvez seja exatamente isso que o atleta precise neste momento. Dar um passo para trás e, em seguida, dar dois para frente – seguido de uma ‘lambada’ na perna de quem se atrever a cruzar o seu caminho na divisão até 61 kg.

Não será uma missão fácil, longe disso. Afinal de contas, logo em seu debute, José Aldo já encara Marlon Moraes, seu compatriota e ex-desafiante ao cinturão dos pesos-galos. Mas nada na vida do veterano veio de mão beijada. E eu não sei vocês, mas eu não duvidaria do potencial do Campeão do Povo. Até porque no meio do caminho você pode acabar queimando a língua. Ou pior, caso seja um lutador rival, "perdendo a cabeça".