Tamanho do texto

Para o governador de São Paulo, é pouco provável que o estado do Rio vença a disputa para sediar o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1

Lance

autódromo do Rio de Janeiro em Deodoro
Divulgação
Novo autódromo do Rio de Janeiro será construído em Deodoro

O governador de São Paulo João Dória desdenhou, nesta sexta-feira, do bairro de Deodoro, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O politico afirmou que 'algo não orna' nas intenções do presidente Jair Bolsonaro e o governador do Rio, Wilson Witsel, de construir um autódromo no bairro para receber o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 em 2020.

"Eu sobrevoei Deodoro . Não tem nada em Deodoro. Como pode imaginar que um investimento que não existe, não está projetado, desenhado, orçado? Como pode dizer que aqui vai ter um autódromo internacional, aprovado pela Federação Internacional de Automobilismo (FiA) e pelos promotores da Fórmula 1 para realizar em 2020 um Grande Prêmio de F1 . Algo não orna", disse João Dória .

Leia também: Michael Schumacher pode realizar grande sonho anos após grave acidente de esqui

De acordo com Bolsonaro , o novo autódromo do Rio de Janeiro será construído no bairro de Deodoro em 'seis ou sete meses, sem uso de dinheiro público'. Dória afirmou que a vontade do presidente não abala sua relação com ele e nem com o governador e o prefeito da capital, Marcelo Crivella.

"Nada temos com relação ao Rio e a pessoas amigas. O prefeito do Rio é nosso amigo. O mesmo em relação ao governador (Wilson) Witzel . Incluo também o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que mora no Rio. Não temos nenhuma oposição a essa legítima vontade de promover grande eventos no Rio. Se quiser disputar a Fórmula 1 vai disputar com São Paulo e São Paulo tem mais chances de vencer do que o Rio", disse o governador sobre a vontade do estado vizinho em sediar corridas em seu autódromo .