Tamanho do texto

Treino classificatório teve algumas surpresas, mas acabou sendo polarizado pelas duas Mercedes; com tempo de 1m20s486, britânico larga na ponta

Piloto da Mercedes cravou novo recorde de volta mais rápida no treino classificatório para o GP da Austrália
Reprodução/FIA
Piloto da Mercedes cravou novo recorde de volta mais rápida no treino classificatório para o GP da Austrália

Foi dada a largada para a temporada 2019 da Fórmula 1 . Na madrugada deste sábado, os pilotos tomaram as curvas de Melbourne, para definir o grid de largada para a primeira prova do ano: o GP da Austrália, disputado no circuito de Albert Park.

Depois de liderar todos os treinos livres da semana, Lewis Hamilton confirmou o favoritismo e garantiu mais uma pole position, a 84ª em sua vitoriosa carreira. E a marca ainda veio com recorde: o tempo de 1m20s486 é o mais rápido da história do GP da Austrália .

Leia também: Dirigente da Fórmula 1 é encontrado morto a poucos dias do início da temporada

Valtteri Bottas, companheiro de Hamilton na Mercedes, até tentou atrapalhar, e chegou a marcar o recorde da pista no Q3, mas acabou superado na última volta e vai largar em 2°. Sebastian Vettel, da Ferrari, e Max Verstappen, da Red Bull, completam a segunda fila.


Confira como foi o passo a passo do classificatório

O Q1, que teve 18 minutos de duração, contou com diversas variações na liderança. Desde os mais lentos, que abriram voltas no início, até a bandeira quadriculada.

Lando Norris, da McLaren, foi o primeiro a marcar volta rápida e logo foi superado por Vettel, Raikkonen e Leclerc. Na sequência, Hamilton e Bottas também marcaram volta e ficaram na liderança.

Por fim, fechando a primeira parte do treino, quem conseguiu ficar na liderança foi Charles Leclerc, da Ferrari, com o tempo de 1m22s017. Os cinco eliminados foram Lance Stroll (Racing Point), Pierre Gasly (Red Bull), Carlos Sainz (McLaren), George Russell (Williams) e Robert Kubica (Williams).

No Q2 foram mais 15 minutos e outros cinco eliminados. Após marcar o melhor tempo no Q1, Leclerc voltou a cravar volta rápida, com 1m21s739, e iniciou liderando.

Na sequência, Bottas roubou a liderança e fez uma excelente volta, cravando 1m21s241. O tempo fez lembrar a pole confirmada por Hamilton em 2018, quando o britânico marcou 1m21s164.

Leia também: Após boa pré-temporada, Ferrari inicia ano como favorita na Fórmula 1

No fim, Hamilton conseguiu mais um feito e cravou 1m21s014, quebrando o recorde da pista e ficando em primeiro na segunda eliminatória. Os eliminados foram Nico Hulkenberg (Renault), Daniel Ricciardo (Renault), Alexander Albon (Toro Rosso), Antonio Giovinazzi (Sauber) e Daniil Kvyat (Toro Rosso).

Por fim, o Q3 confirmou a classificação final. Em sua primeira volta, Bottas estraçalhou o recorde anotado por Hamilton e cravou 1m20s598, baixando em mais de meio segundo o tempo do companheiro de equipe.

E como a sequência confirmou, a batalha ficou mesmo entre os dois pilotos da Mercedes. Em sua última volta, Hamilton voltou a roubar o recorde de Bottas, fechou a volta em 1m20s486 e garantiu a pole position, a 84ª de sua carreira. Bottas até teve a chance de recuperar a ponta, mas marcou 1m20s598.

Com isso, as duas Mercedes largam nas duas primeiras posições, seguidas de Vettel, Verstappen, Leclerc, Grosjean, Magnussen, Norris, Raikkonen e Pérez nas dez primeiras posições do GP da Austrália .


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.