Tamanho do texto

Apenas cinco mulheres foram contratadas efetivamente para equipes da categoria. Outras tiveram experiência como pilotas de teste

Maria Teresa de Filippis na Maserati, em 1958, uma das poucas mulheres na F1
Motorsport / Reprodução
Maria Teresa de Filippis na Maserati, em 1958, uma das poucas mulheres na F1

A primeira conferência de imprensa da temporada 2017 da Fórmula 1, na Austrália, foi marcada pelo bom humor dos pilotos. Em um dos momentos de sorrisos, Lewis Hamilton disse que sente falta da presença feminina na categoria e que gostaria de ver mais mulheres na pista.

Leia também: A polêmica decisão da Mercedes que deixou os fãs de Schumacher bravos

"Gostaria que dessem mais espaço às  mulheres no paddock. São homens demais", disse o britânico, arrancando gargalhadas de todos os que estavam presentes no local, desde os próprios pilotos, jornalistas e dirigentes da F1.

Divina Galica, pilota italiana da Fórmula 1
Reprodução
Divina Galica, pilota italiana da Fórmula 1

E Hamilton tem razão. Ao longo de toda história, desde 1950, foram poucas as moças que estiveram na Fórmula 1. Na verdade, apenas cinco chegaram a integrar equipes de forma efetiva: as italianas Maria Teresa de Filippis (1958 - Maserati e 1959 - Behra), Lella Lombardi (1974/75/76 nas equipes Brabham, March e Williams) e Giovanna Amati (1992 - Brabham), a britânica Divina Galica (1976 - Surtees e 1978 - Hesketh) e a sul-africana Desiré Wilson (1980 - Williams).

Leia também: Confira quais são os carros mais feios da história da Fórmula 1

Nenhuma delas obteve poles position, pódios, vitórias ou títulos. Apenas uma, Lella Lombardi, conseguiu pontuar. A italiana é também a mulher com mais corridas no currículo, com 17 GPs. Por outro lado, a sul-africana Desiré Wilson correu apenas uma vez.

Pilotas de testes recentes

Susie Wolff testou carros da Williams
Divulgação
Susie Wolff testou carros da Williams

A história mostra também que algumas mulheres também foram pilotas de teste na F1. Em setembro de 2002, a americana Sarah Fisher teve a oportunidade de guiar um carro da McLaren depois dos treinos livres de sexta-feira em Indianápolis, local do Grande Prêmio dos Estados Unidos.

Leia também: Galvão Bueno sobre amizade com Ayrton Senna: "A gente se divertia demais"

Já a britânica Katherine Legge fez um teste pela Minardi no Circuito de Vallelunga, na Itália, em novembro de 2005. Ela bateu o carro logo após dar duas voltas no circuito e voltou a testar o carro alguns dias depois. O teste durou apenas 27 voltas.

Maria de Villota sofreu acidente e morreu meses depois
Reprodução
Maria de Villota sofreu acidente e morreu meses depois

Em 2012, a piloto espanhola Maria de Villota foi contratada pela equipe Marussia como piloto de testes. Em julho daquele ano, sofreu um grave acidente durante os testes aerodinâmicos realizados no aeroporto de Duxford, em Londres. Ela perdeu a visão neste acidente. Em outubro do ano seguinte, foi encontrada morta em um quarto de hotel - o falecimento foi causado pelas sequelas.

Também em 2012, A britânica Susie Wolff assinou contrato com a equipe Williams e passou a participar dos testes em túneis de vento e de desenvolvimento do carro, aumentando o time de mulheres na F1. Dois anos depois, a Sauber assinou com Simona de Silvestro como "piloto afiliada". E neste ano de 2017, a mesma Sauber anunciou a colombiana Tatiana Calderón como piloto de desenvolvimento para a temporada.