Equipe da Fórmula 1 retirou uma frase em homenagem ao ex-piloto alemão de seus carros

Mercedes foi a última equipe de Michael Schumacher na Fórmula 1
Divulgação
Mercedes foi a última equipe de Michael Schumacher na Fórmula 1

A Mercedes, última equipe de Michael Schumacher na Fórmula 1, decidiu retirar a mensagem de apoio ao ex-piloto do seu carro de 2017. Vale destacar que a frase usada na hashtag "Keep Fighting Michael" (Continue Lutando, Michael) estava presente em todos os modelos da escuderia desde 2014. 

Leia também: Confira quais são os carros mais feios da história da Fórmula 1

A decisão deixou muitos fãs de Schumacher bravos, sendo que muitos se manifestaram nas redes sociais criticando a decisão da Mercedes. A equipe, porém, se manifestou para acabar com toda polêmica.

A mensagem
Divulgação
A mensagem "Keep Fighting Michael" não estampará mais os carros da Mercedes

"A mensagem foi retirada para abrir um caminho para o futuro uso da mensagem. Agora, 'Keep Fighting' passa a ser uma iniciativa que visa encorajar pessoas a usar o seu lendário espírito combativo", explicou a assessoria de imprensa.

Leia também: Como Massa se prepara fisicamente para temporada mais agressiva da F1

Além disso, a Mercedes explicou que continuará dando todo suporte financeiro ao ex-piloto e que também serão realizadas ações em conjunto com a família do heptacampeão do mundo. "A Mercedes e a família de Michael Schumacher vão trabalhar juntas numa série de atividades comuns que serão comunicadas a seu tempo", completou.

Leia também: Schumacher "poderia estar trapaceando" na temporada em que Senna morreu

Das 307 corridas que fez ca categoria, o alemão correu 58 pela Mercedes. O melhor resultado foi um terceiro lugar no Grande Prêmio da Europa, em Valencia, Espanha, no último ano da carreira na Fórmula 1, em 2012.

Confira fotos da carreira de Schumi

O acidente

Michael Schumacher sofreu um gravíssimo acidente de esqui em dezembro de 2013 nos alpes franceses. Depois de ficar muito tempo internado em coma, ele segue a recuperação em casa, na Suíça, e recebe acompanhamento 24 horas por dia de uma equipe de médicos e fisioterapeutas. Entretanto, ninguém tem acesso ao ex-piloto. Na época, o diretor da estação de esqui onde ocorreu o acidente, Christophe Gernignon-Lecomte, chegou a dizer que a lesão sofrida "não era grave".