Tamanho do texto

Ex-piloto da Fórmula 1 segue em tratamento domiciliar após sofrer grave acidente em 2013, mas seu estado de saúde ainda é uma incógnita

Michael Schumacher e sua mulher Corinna
Facebook
Michael Schumacher e sua mulher Corinna

29 de dezembro 2013. Nesta data, na França, o ex-piloto alemão Michael Schumacher sofreu um grave acidente enquanto esquiava e, desde então, seu estado de saúde é mantido sob sigilo absoluto pelos familiares e pessoas próximas ao heptacampeão da Fórmula 1

Leia também: "Chegou a hora de contar aos fãs", diz ex-agente sobre saúde de Schumacher

Perto de completar 49 anos de idade - em 3 de janeiro de 2018 -, Schumacher nunca mais foi visto em público. Depois de bater a cabeça numa rocha, o ex-piloto ficou cerca de seis meses em coma no hospital de Grenoble, foi transferido posteriormente para um hospital suíço em Lausanne e, em seguida, para sua mansão em Gland, na Suíça.

Quatro anos depois, são muitas as perguntas sobre Schumi. Uma das mais frequentes é: qual a estratégia financeira que seus familiares usam para mantê-lo vivo?

Leia também: "Eu sei como ele está", diz Felipe Massa sobre estado médico de Schumacher

Por decisão da mulher Corinna, o alemão está internado em uma sala da sua enorme casa sob a supervisão de uma equipe médica composta por 15 pessoas e coordenada pelo doutor Richard Frackowiak. Tudo isso custa uma fortuna para a família, responsável pela gestão do dinheiro arrecadado nos seus tempos de piloto da F1.

Veja fotos da carreira de Schumi

Desde o acidente, vários patrocinadores deixaram de apoiar Schumacher e a renda diminuiu drasticamente. De acordo com o jornal britânico "Daily Mirror", o tratamento domiciliar custa cerca de 165 mil dólares por semana (R$ 546 mil) - no total, já foram gastos 26 milhões de dólares (R$ 86 milhões) na luta pela sobrevivência do alemão.

Por conta disso, Corinna começou a vender alguns bens da família, como uma mansão que possuíam na Noruega, perto da capital Oslo. O terreno de 645 m² com spa, ginásio, garagem para muitos carros e acesso para pistas de esqui foi negociado em 2015 por 3 milhões de dólares.

Leia também: Schumacher apresenta melhoras e família espera um "milagre da medicina"

Um outro bem precioso que já não pertence mais a Schumacher é o carro Rolls Royce que a família costumava viajar, com volante de couro, acabamentos de madeira, um computador de bordo próprio e um sistema de chave inteligente - foi vendido por 380 mil dólares. Já o avião particular do ex-piloto, um 2000 EX Falcon, teve que ser vendido por 24 milhões de dólares, segundo o diário "Bild".

Polêmicas

Além de todas informações desencontradas sobre o real estado de Schumi, a busca por novidades causou uma polêmica quando alguns prontuários médicos com relatos da saúde do alemão foram roubados. A investigação chegou à empresa Rega, especializada em transportes aéreos via helicóptero e que levou o ex-piloto da França para a Suíça. Um homem não identificado foi preso, acusado de pegar os prontuários, e depois foi encotrado morto enquanto estava detido em Zurique.

No fim de 2016, um homem teria fotografado Michael Schumacher em sua residência e pedido 1 milhão de euros (ou R$ 3,5 milhões) para repassar as imagens à imprensa. 

O acidente

Michael Schumacher sofreu o grave acidente enquanto esquiava nos Alpes Franceses, mais precisamente na estação de Méribel, em dezembro de 2013. O ex-piloto bateu com a cabeça em uma pedra e sofreu um grave traumatismo craniano, sendo resgatado de helicóptero e levado com urgência para o centro médico de Moutier. Em seguida, foi encaminhado ao Hospital de Grenoble, onde passou por cirurgia no cérebro. Atualmente está em casa.