Aos 19 anos de idade, Dorsa Derakhshani foi expulsa da federação iraniana de xadrez após não utilizar vestimenta muçulmana em competição

Dorsa Derakhshani, atleta iraniana de xadrez
Reprodução
Dorsa Derakhshani, atleta iraniana de xadrez

A iraniana Dorsa Derakhshani é a mais nova atleta da Federação de Xadrez dos Estados Unidos. Isso porquê, a jovem de 19 anos de idade foi banida pela entidade responsável pelo esporte em seu país por ter se recusado a usar o hijab , vestimenta religiosa. Vestuário das mulheres que seguem a doutrina islâmica, o véu tem como preceitos a modéstia, privacidade e moralidade.

LEIA TAMBÉM: Golfe feminino proíbe uso de decotes e de saias muito curtas nas competições

Nascida na capital Teerã, Dorsa competiu em fevereiro deste ano sem estar com o hijab. Mas o Irã obriga que as mulheres cubram suas cabeças em público e algumas semanas depois, a atleta foi banida da federação de seu país. Para que a garota possa continuar competindo, é necessário estar filiada em alguma federação e por isso, foi convidada pelos Estados Unidos.

"O Irã não estava deixando-a jogar alguns torneios e ela precisava da autorização da federação para campeonatos mundiais", disse o mais novo treinador de Dorsa, Alejandro Ramirez, da Universidade de St. Louis, no estado norte-americano do Missouri ao jornal The New York Times . "Claro que a América não vai ter nenhum problema com isto", completou.

LEIA TAMBÉM: Atacante da seleção dos EUA é expulsa de parque da Disney após confusão em bar

Expulsão

Dorsa Derakhshani
Reprodução
Dorsa Derakhshani

A garota residia em Barcelona desde 2015, onde treinava e estudava mas recentemente se mudou para os Estados Unidos, onde continuará a carreira no esporte e poderá participar de eventos. Em uma entrevista à rádio Wbur-FM , Dorsa Derakhshani comentou sobre a expulsão da federação iraniana de xadrez . "Foi muito fora de moda e não houve nenhum aviso prévio", disse. 

LEIA TAMBÉM: Torcedor pede ajuda divina durante missa para seleção do Peru ir à Copa em 2018

Por outro lado, o presidente da entidade no Irã Mehrdad Pahlevanzadeh, declarou que é comum que iranianos deixem a federação e de que a jovem atleta não faz mais parte da equipe nacional. "Ela jogou para o Irã apenas uma vez em 2014", disse o dirigente. O irmão de 14 anos da garota também foi proibido de jogar por ter enfrentado um israelita.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.