Tamanho do texto

Marcelinho Paraíba converteu pênalti no último lance do jogo, mas vitória não estragou festa do Santa

O Santa Cruz celebrou sua ressurreição com uma festa em um domingo perfeito para seus torcedores. Apesar da derrota por 1 a 0, com pênalti convertido por Marcelinho Paraíba para o Sport no último lance, o placar foi suficiente para o estádio Arruda ter a maioria dos presentes comemorando o título pernambucano diante de 62.243 espectadores presentes.

Torcedores do Santa Cruz lotaram o Arruda
AE
Torcedores do Santa Cruz lotaram o Arruda

A vitória por 2 a 0 no primeiro jogo da decisão, na Ilha do Retiro, garantiu o título para o Santa. Com o insucesso, o Sport, vencedor dos últimos cinco Estaduais, perdeu a chance de igualar o hexa do Náutico. Melhor ainda para os tricolores, que conquistaram seu primeiro Pernambucano desde 2005 e iniciarão em alta sua campanha na Série D do Brasileiro.

Pelo que mostrou em todo o torneio e também na final deste domingo, o Santa Cruz pode sonhar. O goleiro Magrão, do Sport, foi decisivo para que a pressão exercida pelos donos da casa não resultasse em nenhuma bola em suas redes. O problema foi que nenhum outro atleta do time rubro-negro foi capaz de ter a mesma eficiência na frente.

O jogo

Jogadores comemoram o título pernambucano
Futura Press
Jogadores comemoram o título pernambucano
O Santa Cruz soube se aproveitar da tranquilidade do placar obtido no primeiro jogo. Manteve a bola em seus pés, aumentando o nervosismo do Sport. Desta maneira, conseguiu evitar sustos durante o primeiro tempo, ciente de que os espaços apareceriam na etapa final pela postura ofensiva que o rival deveria ter para vencer por três gols de diferença.

Depois do intervalo, o Santa Cruz fez a festa de sua torcida. Tocando a bola com mais objetividade, o time fez da área do Sport um dos locais que mais ocupou no gramado, quase sempre com perigo. O grito de gol ficou entalado na garganta de quem esteve nas arquibancadas porque Magrão fez excelentes defesas.

Nada, porém, pôde diminuir o nervosismo do Sport. A prova disso foi a expulsão do zagueiro Alex Bruno, nos minutos finais do clássico, por entrada dura, e sua saída encarando o árbitro. Mas, naquele momento, o jogo não era nada além de cruzamentos inúteis do Sport à área do Santa Cruz.

Os torcedores do Sport já deixavam o Arruda antes do apito final, para não assistir à festa do título adversário, mas mudaram de ideia ao ver que o Sport teve um pênalti a seu favor. Marcelinho Paraíba converteu nos acréscimos e iniciou uma confusão que teve troca de agressões dos jogadores. Mas seu gol foi o último do jogo, de festa para o Santa Cruz.