Tamanho do texto

"Estamos tristes e surpreendidos com a notícia sobre Maria Sharapova", disse a Nike em um comunicado

Estadão Conteúdo

Maria Sharapova revelou que foi pega no doping
AFP
Maria Sharapova revelou que foi pega no doping


Três dos principais patrocinadores de Maria Sharapova cortaram suas relações com a tenista russa depois que a estrela admitiu ter testado positivo em um exame antidoping  realizado em janeiro durante a disputa do Aberto da Austrália, em Melbourne.

A gigante esportiva Nike, a empresa suíça de relógios TAG Heuer e a empresa automotiva alemã de carros de luxo Porsche rapidamente se distanciaram da vencedora de cinco torneios do Grand Slam depois que a tenista admitiu, na última segunda-feira numa entrevista coletiva em Los Angeles, ter sido pega em um teste.

E MAIS
Maria Sharapova revela que foi flagrada no exame antidoping
Sharapova e a carreira por um triz: lesões e doping

"Estamos tristes e surpreendidos com a notícia sobre Maria Sharapova", disse a Nike em um comunicado. "Decidimos suspender o nosso relacionamento com Maria enquanto a investigação continua. Nós continuamos a monitorar a situação".

A TAG Heuer disse que não iria renovar o seu contrato com a atleta. Seu acordo com Sharapova expirou no final de 2015, disse a empresa, e eles estavam realizando reuniões para renová-lo.

Maria Sharapova, tenista russa
Getty Images
Maria Sharapova, tenista russa

"Diante da situação atual, a marca de relógios suíça suspendeu negociações e decidiu não revisar o contrato com a senhorita Sharapova", disse a companhia em um comunicado.

Enquanto isso, a Porsche disse que tinha "decidido adiar suas atividades previstas" com a tenista "até que mais detalhes sejam conhecidas e possamos analisar a situação".

Sharapova disse na segunda-feira que havia testado positivo em um exame para Meldonium, uma substância proibida neste ano pelas regras da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês). A ex-número um do mundo assumiu toda a responsabilidade por seu erro e pode enfrentar uma longa suspensão da Federação Internacional de Tênis, que deve significar o fim da sua temporada, a impedindo de representar a Rússia nos Jogos Olímpicos do Rio.

A russa disse que tomou Meldonium, um medicamento que aumenta o fluxo sanguíneo, durante dez anos por vários problemas de saúde. A substância foi proibida porque aumenta o oxigênio no sangue e a resistência, e foi detectado que vários atletas de diferentes esportes o consumiam. Sharapova e todos os jogadores do circuito receberam um comunicado sobre as mudanças na lista de substâncias proibidas da Wada em dezembro.

Sharapova acumula 35 títulos e premiações superiores a US$ 36 milhões (mais de R$ 136 milhões). Ela está em sétimo lugar no ranking mundial apesar de só ter jogado três torneios e a final da Fed Cup nos últimos oito meses, desde Wimbledon, por causa de lesões.

A russa seria a atleta mais bem paga do mundo, com vários contratos de patrocínio e numerosos projetos empresariais, como a linha de doces Sugarova. A Forbes estimou que ela recebeu US$ 29,5 milhões (R$ 111,6 milhões) em 2015.

Capriati dispara contra Sharapova

A ex-tenista norte-americana Jennifer Capriati atacou Maria Sharapova após a revelação de que a russa testou positivo em exame antidoping realizado durante o Aberto da Austrália, em janeiro, em Melbourne. Em seu perfil no Twitter, Capriati se disse "extremamente enojada e decepcionada" com a estrela do tênis.

Ex-tenista Jennifer Capriati
Divulgação
Ex-tenista Jennifer Capriati

Na última segunda-feira, Sharapova revelou o caso de doping por uma substância - Meldonium, também conhecida como Mildronato, - que passou a ser proibida no início deste ano. A russa afirmou que consumiu essa substância durante dez anos.

"Eu tive que perder minha carreira, e nunca optei por fazer trapaças, sem importar o que ocorreria", escreveu Capriati. "Tive que jogar a toalha e sofrer", acrescentou a ex-número 1 do mundo.

Capriati, hoje com 39 anos, ganhou três títulos dos torneios do Grand Slam e uma medalha olímpica de ouro. A norte-americana começou a sua carreira profissional como um prodígio, com apenas 13 anos. Ela entrou para a lista das dez melhores do mundo com 14 anos, sendo a mais jovem tenista a atingir tal feito. "Eu não tinha uma onerosa equipe de médicos para encontrar uma forma de eu fazer uma trapaça, enrolar o sistema e esperar que a ciência me alcançasse", disse.

Uma lesão nas costas afetou a última temporada profissional - 2004 - de Capriati. A norte-americana disse que foi forçada a se aposentar mais cedo do que desejava. Em 2012, ela entrou para o Hall Fama do Tênis Internacional.