Arthur Zanetti erra nas argolas e fica sem medalha em Tóquio
Foto: Wander Roberto/COB
Arthur Zanetti erra nas argolas e fica sem medalha em Tóquio

Arthur Zanetti não conseguiu a terceira medalha olímpica nas argolas. Campeão olímpico em Londres-2012 e medalha de prata na Rio-2016, ele buscava a façanha de ser o único com três premiações. O ginasta arriscou uma saída ousada, para aumentar sua nota de partida, no final da sua apresentação nas argolas, e não conseguiu cair em pé. Foi o que custou uma nova medalha olímpica e ele, em final disputada nesta segunda-feira, a Ariake Arena. Com 14.133, ele, que foi o primeiro a se apresentar, viu o pódio passar longe a cada apresentação que se seguia e terminou em oitavo. O ouro ficou com o chinês Yang Liu, com uma execução perfeita que valeu 15.500; a prata foi para o compatriota dele Hao You, com 15.300.

(Veja abaixo galeria de fotos de Zanetti)


Zanetti, de 31 anos, saiu das classificatórias admitindo que cometeu alguns erros e ciente dos elementos dos quais precisava melhorar. Ele havia conseguido 14.900 e terminado em quinto. O grego Eleftherios Petrounias passou em primeiro com 15.333 pontos. Na final, ele fez 15.200 e levou o bronze.

Além da Covid-19 e da paralisação do calendário, Zanetti teve de superar problemas em São Caetano do Sul, cidade onde treina. Apontando a redução de custos como justificativa, a prefeitura cortou o salário dele e de Marcos Goto, seu treinador e coordenador da ginástica no Time Brasil. A situação foi de tensão por alguns meses, e a dupla chegou a cogitar deixar a cidade após as Olimpíadas. Zanetti agora diz que tudo foi resolvido e os problemas ficaram no passado.

No que depender Zanetti, que no início da carreira se empolgou com o ouro no solo de Diego Hypolito no Mundial, em Stuttgart, em 2007 e por isso seguiu em frente, a edição japonesa dos Jogos não será a última de sua carreira. Ele já avisou que, por causa do ciclo mais curto para Paris, em 2024, cogita chegar até lá. Ele afirma que está "com a cabeça boa e o corpo consegue responder".

Ainda nesta segunda-feira, Rebeca pode voltar a quebrar tabus. Ela compete na final do solo e pode ganhar a terceira medalha em uma única competição. Se isso acontecer, chega a passar Isaquias Queiroz na façanha: ele também tem três medalhas conquistadas em uma única Olimpíada, mas não tem ouro. No Rio ele ganhou a medalha de prata nas provas individual (C1) e em dupla (C2, com Erlon Souza) dos 1.000 m, além do bronze nos 200 m.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários