Tamanho do texto

Giovanni Malagò foi acusado de "gastar" muito dinheiro para promover a candidatura da capital italiana, mas ironizou a fala e entrou em confronto com o partido da prefeita, o Movimento Cinco Estrelas (M5S)

Presidente do Coni, Giovanni Malagò, entrou em confronto com a líder política e seu partido, o Movimento Cinco Estrelas
Divulgação
Presidente do Coni, Giovanni Malagò, entrou em confronto com a líder política e seu partido, o Movimento Cinco Estrelas

Um dia após a desistência da cidade de Roma, por meio da prefeita Virginia Raggi, de ser sede dos Jogos Olímpicos de 2024 , o presidente do Comitê Olímpico Nacional Italiano (Coni), Giovanni Malagò, entrou em confronto com a líder política e seu partido, o Movimento Cinco Estrelas (M5S).

Acusado pelo porta-voz do M5S na Câmara dos Deputados, Simone Valente, de "gastar" muito dinheiro para promover a candidatura da capital italiana, o presidente ironizou a fala e disse que nunca pediu ressarcimento à Prefeitura.

LEIA MAIS:  Após "não" de Roma, Nápoles quer sediar Jogos Olímpicos

"O honorável está pouco informado sobre a questão. O Coni é um órgão público e todas as nossas despesas estão online. Nunca pedi nada à prefeita, e se alguém pedir o porquê desse dinheiro é que hoje ainda somos oficialmente candidatos com uma moção da administração precedente, apoio do chefe da República, do premier e de todo o movimento esportivo. Se quiserem controlar, me chamem e darei toda a documentação", disse o mandatário à "Radio Anch'io".

Segundo o cartola, Raggi teria total controle sobre a administração financeira. "Hoje, qualquer obra pública pede um investimento e essa administração tinha o direito e o dever de supervisioná-la. À Raggi, nós falamos 'assuma a governança e governa o processo'", falou também Malagò.

LEIA MAIS:  Atletas paralímpicos pedem manutenção de investimentos para Jogos de 2020

Outro que criticou o "não" de Virginia Raggi foi o governador da região de Lazio (onde fica a cidade de Roma), Nicola Zingaretti.

"Acredito que tudo na vida pode ser um risco ou uma oportunidade, assim como caminhar. É bonito caminhar, mas se um cair, ele pode se machucar. As Olimpíadas poderiam ser um risco ou uma oportunidade, a diferença é como você faz. Acho que a renúncia foi um dramático erro e sobretudo, talvez, um elemento sem confiança na relação entre eles mesmos, que seriam aqueles que deveriam gerir tudo", ponderou Zingaretti.

ATRASO

Na última quarta-feira, Raggi havia marcado uma reunião com os representantes do Coni na sede da prefeitura, mas não apareceu alegando estar em um compromisso com um ministro. Porém, fotos flagraram a prefeita almoçando com uma assessora no momento em que a comitiva do esporte a aguardava no Capitólio.

Sobre o "atraso", Malagò apenas se limitou a dizer que "trabalha 16 horas por dia" e que esperava que o governo de Roma "quisesse aceitar esse desafio para impulsionar o esporte e a cidade".

PRÓXIMAS FASES

Do mesmo modo que falou o presidente Malagò, Roma permanece oficialmente na disputa até o momento, isso porque a fala da prefeita não tira a candidatura de imediato. Para isso, será preciso votar uma proposta política em Roma, que dá base à postura de Raggi. Se esta proposta for favorável, a prefeita enviará uma carta oficial ao Comitê Olímpico Internacional (COI) informando a desistência oficial da capital italiana.

*Com informações de Ansa