Tamanho do texto

No total, os competidores do estado ganharam oito medalhas de ouro, 13 de prata e nove de bronze

Agência Brasil

Governador Geraldo Alckimin entregou as medalhas aos atletas
A2img / Ciete Silvério
Governador Geraldo Alckimin entregou as medalhas aos atletas

Os 33 atletas paralímpicos paulistas que integram a delegação brasileira receberam hoje (20) medalhas do mérito esportivo do governo estadual em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes. Eles conquistaram 30 do conjunto de 72 medalhas do Brasil.

VEJA:  São Paulo foi o estado que mais rendeu medalhas na Paralimpíada

Ao total, os competidores do estado ganharam oito medalhas de ouro, 13 de prata e nove de bronze. No quadro geral, o país conquistou 14 medalhas de ouro, 29 de prata e 29 de bronze. A modalidade em que os paulistas mais se destacaram foi o atletismo, que rendeu quatro ouros, seis pratas e quatro bronzes.

Medalhas do mérito esportivo
A2img / Ciete Silvério
Medalhas do mérito esportivo

Silvania Costa de Oliveira, medalhista de ouro no atletismo, disputou este ano a sua primeira Paralimpíada. “Estou muito feliz, não consigo nem me expressar neste momento, foi um trabalho de quatro anos. Tive a oportunidade que o Time São Paulo me concedeu. Eu era 13ª no ranking mundial, eu corria sem sapatilhas, não tinha equipamentos, nem condições de permanecer no esporte”, lembrou.

A paratleta contou que sua família é de origem humilde e veio do interior de Mato Grosso tentar a sorte em São Paulo. Ela e o irmão mais velho, Ricardo Oliveira, dividiam a mesma sapatilha quando começaram a treinar. Ricardo Oliveira foi responsável pelo primeiro ouro do Brasil nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.

Alckimin com alguns atletas paralímpicos
A2img / Ciete Silvério
Alckimin com alguns atletas paralímpicos


Natação

Entre os atletas paulistas, a natação foi a segunda modalidade com maior número de medalhas, um total de 12. Foram quatro de ouro, cinco de prata e três de bronze. Daniel Dias conquistou quatro medalhas de ouro, três de prata e duas de bronze, tornando-se o nadador paralímpico mais vitorioso da história.

Daniel disse que este é o momento de celebração, mas também de preocupação. “Precisamos dar continuidade ao trabalho que se vem fazendo. Não vamos parar por aqui, a gente caminhou, e que grande caminhada fizemos atá aqui. Este não é momento de parar”, disse. O atleta pediu que os investimentos no esporte paralímpico se mantenham.