Tamanho do texto

Mesatenistas brasileiros estão confiantes na busca por mais uma medalha para o país nos Jogos do Rio

Welder Knaf e David Freitas no jogo de duplas do tênis de mesa
Alexandre Urch/CPB/MPIX
Welder Knaf e David Freitas no jogo de duplas do tênis de mesa

A três dias no encerramento dos Jogos Paralímpicos do Rio, o Brasil ainda tem várias chances de subir ao pódio em diversas modalidades. Uma delas é no tênis de mesa por equipes da Classe 3 masculina.

ACOMPANHE:  Tempo real dos Jogos Paralímpicos Rio 2016

Lutando por uma vaga na final do tênis de mesa , Welder Knaf e David Freitas tiveram pela frente a Alemanha, representada por Thomas Schmidberger, prata no individual, e Thomas Bruchle, quarto colocado também na disputa individual. Os brasileiros começaram o confronto jogando de igual para igual, mas viram a Alemanha conseguir passar à final após 2 a 0 no confronto. Agora, o Brasil vai disputar a medalha de bronze contra a Tailândia, nesta sexta-feira, às 18h30.

Derrota na semifinal

A dupla verde e amarela fez um bom primeiro set, perdendo no fim. Nos outros dois sets, não conseguiu manter o ritmo e acabou sendo derrotado por 3 sets a 0, parciais de 11/9, 11/6 e 11/8. Quem retornou à mesa para a partida individual foi Welder, que encarou Thomas Bruchle. Logo no primeiro set, vitória tranquila. Porém, o alemão melhorou e conseguiu igualar o placar. Nos sets seguintes, Bruchle neutralizou as ações e fechou a disputa em 3 sets a 1, parciais de 6/11, 11/6, 11/6 e 11/3.

LEIA TAMBÉM:  "Esporte paralímpico ainda não mudou preconceito no Brasil"

"A gente já sabia que seria um jogo complicado. A qualidade de troca de bolas deles é muito boa. Tentamos algumas coisas e em alguns detalhes nós falhamos. Sabíamos que teríamos de ser quase perfeitos para conseguir vencer, mas acabou não dando certo. No individual, eu comecei com uma estratégia, mas depois ele mudou o jogo" , disse Welder, que comentou sobre a batalha por um lugar no pódio:

"Será um jogo difícil também. Não podemos analisar segundo e terceiro jogo, vamos ter de pensar ponto a ponto. É um jogo chato para a gente porque eles usam um tipo de raquete que não dá efeito e deixa o jogo mais lento. Fica mais complicado de atacar, então, é um jogo mais de paciência, como foi o nosso com a Coreia" , completou.

David Freitas lembrou que a equipe da Alemanha é composta por jogadores bem ranqueados mundialmente, mas salientou que a semifinal tem de ser página virada e a atenção deve-se voltar completamente para a partida desta sexta.

E MAIS:  Confira fotos tiradas pelo fotógrafo cego dos Jogos do Rio

"Estamos focados. Já sabíamos do grau de dificuldade que encontraríamos contra a Alemanha. É o número 1 (Thomas Schmidberger) e 3 (Thomas Bruchle) do mundo, então, sabíamos que iríamos nos deparar com uma situação que precisava de uma inovação. Começamos o primeiro set em igualdade, mas eles se saíram melhor. Agora, é esquecer esse jogo e pensar na disputa do bronze. Do mesmo jeito que tivemos um bom rendimento contra a Coreia, que também é uma equipe forte, estamos preparados e focados para trazer esse bronze para o Brasil" , afirmou.

Welder Knaf vai tentar conquistar a segunda medalha em Jogos Paralímpicos. Ao lado de Luiz Algacir, ele conquistou a medalha de prata por equipes em Pequim 2008, até o Rio 2016, a única medalha do Brasil no tênis de mesa.