Tamanho do texto

A ex-ginasta contou com as dicas de campeã paralímpica brasileira na modalidade e se arriscou na categoria que já rendeu medalha para o Brasil

Lais Souza acompanhou de perto as quartas de final da bocha com o Brasil, antes de experimentar o esporte
Marcelo Regua/MPIX/CPB
Lais Souza acompanhou de perto as quartas de final da bocha com o Brasil, antes de experimentar o esporte

A ex-ginasta Lais Souza se rendeu à bocha, uma das modalidades que mais emocionaram a torcida brasileira nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016. Lais sofreu um grave acidente de esqui em 2014, enquanto treinava para os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia. O acidente causou uma lesão na terceira vértebra da coluna cervical que a deixou tetraplégica. 

LEIA MAIS:  Como treinadora recrutou nas ruas equipe paralímpica de remo

Mesmo antes do sonho de brilhar nos esportes na neve, a brasileira já era um dos principais e mais experientes nomes da ginástica nacional. Agora, ela experimenta novas modalidades, como o hipismo e a bocha. Na Paralimpíada do Rio, Lais Souza, além de acompanhar de perto a bocha, também se aventurou na modalidade.

Inspirada pelo atletas brasileiros campeões na Paralimpíada do Rio, a ex-ginasta viu que é possível voltar a competir esportivamente mesmo com a ausência de movimentos nos braços e nas pernas. Lais aceitou o convite do canal de TV por assinatura SporTV, e experimentou a bocha, sob a orientação de Evani Calado, ouro na modalidade nos Jogos do Rio.

E TAMBÉM:  Esporte para crianças com deficiência deve quebrar barreiras no Brasil

"Sabe quando você volta a sonhar? Voltei para dentro do esporte. Para mim, estava distante até um tempo atrás. Conhecendo a bocha e vendo que é possível, agora não vejo por que não tentar? Resgatei algo que estava em mim. Amei. Muito legal. É o que falo para todo mundo: 'Vem fazer esporte'. Essa Paralimpíada está me abrindo portas" , revelou Lais em entrevista ao SporTV.

Lais Souza experimenta a bocha pela primeira vez
Reprodução
Lais Souza experimenta a bocha pela primeira vez

"É muito inclusivo. Eu não mexo um dedo, mas eu posso competir, posso estar em uma Paralimpíada. É muito legal ver o esforço dessa galera. Tive uma lição de ser humana" , completou a brasileira.

Novos rumos

Para o próximo ano, a brasileira já tem planos traçados. Um deles é o de dar início à faculdade de psicologia . "Antes do acidente eu estava cursando educação física porque amo esporte, sou espoleta. Acabei optando pela psicologia porque também é uma área que gosto e posso adaptar à minha situação física hoje."

Mas, agora, com a paixão à primeira vista pela bocha, ela não deve descartar a opção. "Conhecendo as regras, consegui me adaptar, consegui adaptar a atleta Lais Souza para a bocha. Quero conhecer muito mais e treinar com as campeãs paralímpicas", revelou.