Tamanho do texto

Ginasta, que conquistou cinco medalhas no Rio de Janeiro, sendo quatro delas de ouro, teria utilizado anfetaminas, de acordo com os hackers

Simone Biles levou quatro medalhas de ouro do para os Estados Unidos
Reprodução/Twitter
Simone Biles levou quatro medalhas de ouro do para os Estados Unidos

O site da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) foi invadido por um grupo de hackers nesta terça-feira. O grupo acusou a entidade de ocultar alguns dados e casos de doping de atletas dos Estados Unidos, entre eles, o da ginasta multicampeã Simone Biles e também das irmãs tenistas Serena (ex-número 1 do mundo) e Venus Williams.

LEIA MAIS:  Ryan Lochte é alvo de protesto durante programa 'Dança com as Estrelas' nos EUA

O grupo "Fancy Bear's" assumiu o ataque. Eles se autointitulam como uma equipe que "luta pelo fair play e pelo esporte limpo" de doping. Curiosamente, eles focaram em atletas de alto nível, caso de Simone Biles , de apenas 19 anos e com um futuro enorme pela frente.

Uma série de documentos confidenciais dos atletas dos Estados Unidos foram publicados pelos hackers. Eles disseram que que os esportistas consumiram substâncias proibidas, porém que apresentavam receitas médicas que indicavam que o uso era terapêutico dos compostos. E por este motivo, a Agência Mundial Antidoping abria uma "exceção" para a utilização do doping.

LEIA MAIS:  Brasil conquista duas medalhas na manhã desta terça-feira na Paralimpíada

De acordo com os dados, Biles, que conquistou quatro ouros e um bronze nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, teria utilizado anfetaminas com a autorização, isto é, prescrição médica.

CASO DAS TENISTAS

Já a tenista Venus Williams teria utilizado a triancinolona e prednisolona, que servem como anti-inflamatórios. Sua irmã, Serena Williams, que até o US Open, último Grand Slam do ano, que terminou final de semana passado, era a número um do mundo, teria ingerido oxicodona e hidromorfona, usados para tratamento de dores, além de prednisona e prednisolona, substâncias que aumentam a capacidade de energia, e de metilprednisolona, que também é usado em tratamentos inflamatórios.

LEIA MAIS:  Fraude? Bom desempenho da China na Paralimpíada gera polêmica

A questão dos certificados é considerada "controversa" por especialistas, isso porque alguns dos documentos apresentados mostram que a Wada negou o pedido. Entretanto, certamente, a agência terá que explicar a situação. Outras pessoas suspeitam que os russos, punidos na Olimpíada e Paralimpíada do Rio, estejam por trás dessa ação, justamente pela Wada ter emitido um relatório acusando a Rússia de ter um "doping sistêmico e de Estado" com seus atletas.

Se estão certos ou não, o que não se pode negar é a genialidade da jovem norte-americana, Simone Biles, que encantou o mundo com suas acrobacias no Rio de Janeiro.

*Com informações da Ansa