Tamanho do texto

Presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro escreve carta aberta ao brasileiro e reforça importância da Paralimpíada para valorização das diferenças

Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro
Divulgação/CPB/Tomás Faquini
Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro

A apenas um dia da cerimônia de abertura da Paralimpíada do Rio, que acontece nesta quarta-feira (07), a partir das 18h15, no estádio do Maracanã, o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro e vice do Comitê Paralímpico Internacional, Andrew Parsons, escreveu uma carta aberta ao brasileiro. Na carta, Parsons ressaltou a importância dos Jogos Paralímpicos para combater a intolerância e valorizar as diferenças. Para o presidente, o Brasil terá, durante os 11 dias de competição, a oportunidade de "ver o mundo de maneira diferente", através dos 4.350 que participarão do evento.

ENTENDA:  Por que atletas surdos não participam dos Jogos Paralímpicos?

Leia a carta na íntegra:

"Assim que a chama paralímpica for acesa nesta quarta-feira, no Estádio do Maracanã, cerca de 4.350 atletas começarão a briga por medalhas nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016 — a 15ª edição do terceiro maior evento esportivo do planeta. Esqueça, apenas por um instante, as chegadas emocionantes, os jogos decididos no último lance, os pódios garantidos na tentativa final. Aproveite as quatro mil trezentas e cinquenta chances de ver o mundo de maneira diferente.

Quando se fala de um país-sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, bate-se constantemente na tecla do legado. Neste ponto, estamos muito bem servidos com a inauguração recente do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro. Uma obra pioneira, em São Paulo, e que nos dá condição de sonhar mais alto hoje e no futuro em termos de desempenho. Mas a maior medalha que conquistaremos no Rio 2016 não pode ser tocada nem vista, mas pode ser sentida.

Pelos próximos 11 dias, o Brasil tem a chance de crescer como sociedade. A mudança de percepção em relação à pessoa com deficiência é o maior legado de receber uma competição como os Jogos Paralímpicos. A Paralimpíada é um catalisador, ela já ajudou a incluir a acessibilidade na mídia e na agenda das autoridades. Mire-se no exemplo de Londres, quatro anos atrás, com seus estádios lotados e, sobretudo, uma população consciente e respeitosa aos direitos das pessoas com deficiência. Nada nos impede de escrever uma história semelhante — ou, quem sabe, ainda melhor — à britânica.

LEIA TAMBÉM:  Rio prepara esquema especial no trânsito para abertura dos Jogos Paralímpicos

Dentro das pistas, piscinas, quadras e campo, o sentimento não poderia ser mais otimista. Nossa delegação preparou-se da maneira mais efetiva possível, é a maior e melhor que já tivemos e tem totais condições de alcançar a meta estabelecida pelo Comitê Paralímpico Brasileiro após os Jogos de Londres em 2012: o quinto lugar geral no quadro de medalhas. Objetivo ousado? Sim, sem dúvida. Assim como não há dúvidas do desenvolvimento de quem, há 21 anos, quando da criação do CPB, ocupava a 37ª posição em Atlanta 1996 e hoje é uma das maiores potências paralímpicas do planeta — sétima colocada quatro anos atrás.

E MAIS:  Príncipe Harry faz doação para levar crianças brasileiras à Paralimpíada

Dois países de muita tradição esportiva e estrutura ficaram entre o Brasil e o quinto lugar em Londres 2012: Estados Unidos e Austrália. Poder colaborar para botar o nosso país no patamar destas potências é um orgulho imenso, que carrego desde que assumi a presidência do CPB, em 2009.

Aos atletas e delegações, desejo muito boa sorte e que protagonizem e apresentem ao Brasil o espetáculo ao qual estão acostumados. Que no dia 18, quando a pira paralímpica se apagar, siga viva nos brasileiros a chama não da tolerância, mas do respeito e da valorização das diferenças."