Tamanho do texto

Atleta estuda voltar a praticar esportes e estuda entrar para a bocha ou hipismo, modalidades das Paralimpíadas

Lais Souza pretende entrar para o esporte paralímpico
Divulgação
Lais Souza pretende entrar para o esporte paralímpico

Lais Souza sofreu um acidente de esqui em 2014 que a deixou tetraplégica - ela estava treinando e disputaria os Jogos Olímpicos de Inverno daquele ano, em Sochi, na Rússia, mas sua carreira no esporte de neve foi abreviada.  A brasileira, entretanto, não desistiu das competições e agora tem novos desafios na sua vida: esporte paralímpico e psicologia.

Você viu?  Ator de Breaking Bad vai comentar Paralimpíada do Rio

Nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, Lais Souza acompanhou a seleção feminina de ginástica artística do Brasil e acompanhou de perto o desempenho das atletas. Lembrando que ela era ginasta e competiou nos Jogos de Pequim, em 2008. "Gostei muito da maturidade das meninas, desde a atitude no momento do aquecimento até a hora da apresentação. Foi basicamente uma competição sem quedas", comentou a ex-ginasta.

Mesmo sem medalhas, os destaques do Brasil foram as jovens Flávia Saraiva, de 16 anos, e Rebeca Andrade, de 17. As duas asseguraram vaga na grande final do individual geral, mas não conseguiram subir ao pódio.

Bocha e hipismo

Com o coração na ginástica artística, mas também de olho em outros esportes, Lais Souza arrumou um tempo para assistir as competições de hipismo no Rio 2016. Mas por que? Ela foi convidada a praticar algumas modalidades paralímpicas e estuda a volta ao esporte. "Agora que as Olimpíadas terminaram vou conhecer melhor a bocha e o hipismo. Quero voltar a praticar esporte e essas modalidades permitem que eu possa fazê-los dentro das minhas condições", comentou.

Lais Souza acompanhou o Rio 2016
Coca Cola/Divulgação
Lais Souza acompanhou o Rio 2016

E mais:  Mulher arrecada R$ 20 mil para levar crianças carentes à Paralimpíada

Dois anos e meio depois do acidente que a deixou tetraplégica, a ex-ginasta se dedica atualmente à fisioterapia diária focada na evolução gradativa dos movimentos. Porém, com a agitada agenda de atividades no Rio 2016, ela precisou diminuir a intensidade do tratamento.

"Tive que dar essa parada por causa dos Jogos, mas assim que terminaram as competições voltei à minha rotina de três horas diárias de fisioterapia. Mas durante os Jogos, tive uma máquina de eletroestimulação e continei tomando o meu ‘choquinho’ todos os dias", explicou .

Confira:  Mais de 35% dos atletas brasileiros da Paralimpíada são vítimas de acidentes

No começo de 2017, Lais Souza começará também a faculdade de psicologia. "Esse será o meu mais novo desafio. Antes do acidente eu estava cursando educação física porque amo esporte, sou espoleta. Acabei optando pela psicologia porque também é uma área que gosto e posso adaptar à minha situação física hoje. Vou ser novamente caloura e espero e estou animada", finalizou.