Tamanho do texto

Não faltam estilos para ferradura: umas são afiladas, outras cobrem toda a pata e há ainda umas que vem com almofadas de gel para maior conforto

Se penduradas para cima na Europa mantêm a boa sorte ou se penduradas para baixo na Ásia afastam a má sorte, a ferradura, em todos os casos, é um sinal universal de sorte. E os “calçadores” de sapatos que fazem esse árduo trabalho são os times de ferreiros britânico e brasileiro. Eles trabalharam de dia à noite para manter os atletas equinos bem calçados no Complexo Esportivo de Deodoro.

Hipismo, um esporte que é disputado com tradições de família

Assim como seus parceiros humanos, os atletas equinos têm a sua escolha “calçados” feitos à mão e com versões já prontas. Há ferraduras com uma variedade de estilos: umas são afiladas, outras cobrem toda a pata e há ainda aquelas com tachas para o aperto. Algumas até vem com almofadas de gel para um maior conforto.  Feitos de ferro ou alumínio, as ferraduras são pregadas no animal.

Ferradura é importante para o rendimento do cavalo nas competições
Reprodução Boyd&SilvaMartin
Ferradura é importante para o rendimento do cavalo nas competições

Para alcançar a medida correta, a ferradura é aquecida a uma temperatura de 800 graus antes de ser moldada na bigorna para o formato correto. Quando a temperatura da ferradura cai, ela é pressionada à pata e, uma vez que o ajuste está ideal, é deixada em um balde de água para esfriar. Em seguida, é pregada ao casco, que não é sensível e tem o equivalente a uma unha de espessura de 10mm.

Há também uma opção de colagem em alumínio, utilizando uma cola especial que fixa em dois minutos. Isto exige um trabalho rápido e acurado, daí a necessidade de especialização da profissão.

Há ainda efeitos aparentemente decorativos mas que desempenham um papel importante, como os pregos anti-microbianos revestidos de cobre que protegem o equino.

Existe também uma enorme variedade de comprimentos e formas de pregos para diferentes condições de solo. De acordo com o ferrador da Rio 2016, Jim Blurton, "a seleção de pregos é quase tão importante quanto a seleção de pneus na Fórmula 1".

Brasil terá quatro atletas titulares e um reserva no hipismo paralímpico

Ferradura deixada em balde de água fria

O antigo campeão mundial Blurton (57), um ferrador de terceira geração do país de Gales (Grã-Bretanha), encabeça uma equipe britânica de cinco homens que inclui o braço direito de Jim, Ben Benson (36) e um ferrador de segunda geração, que vai assumir o controle da equipe nas Paraolimpíadas no próximo mês. Ambos trabalharam nos jogos de Londres 2012, junto com a gerente geral Emma Cornish (41). O lado britânico da equipe é complementado por Ed Dailly (26),CraigD'Arcy (48) e Dean Bland (45).

E supervisionando todos eles está Luiz Tenorio (44), o homem responsável pela Coordenação de Serviços dos Ferreiros para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Tenorio, que desenhou e equipou a oficina de ferreiros da Rio 2016, é um ferrador de primeira geração nascido e criado no Rio de Janeiro. Ele foi responsável por garantir que, onde quer que haja um cavalo, haja um ferrador a postos se uma ferradura precisa ser substituída, até mesmo nos momentos em que o animal estava prestes a entrar na arena.

“Os grandes atletas vêm com suas próprias ferraduras”, diz Blurton. Todos os cavalos Olímpicos tinham com um par extra de ferraduras pré-montadas para que, caso percam uma, a equipe possa produzir outra com a mesma medida.

Tenorio também selecionou a dedo a equipe brasileira, que incluía 13 voluntários ferreiros. Como parte do programa de legado dos jogos, a programação diária inclui palestras e sessões de treinamento individual, permitindo que os ferreiros brasileiros menos experientes aumentem sua bagagem de conhecimentos, principalmente no que diz respeito à ferragem corretiva.

Rio 2016: Provas de hipismo são marcadas por histórias divertidas

Este é um grande legado para o Brasil, mas há também um legado global, já que ferreiros da equipe nacional e a equipe Rio 2016 se encontravam na oficina quase que diariamente para discutir mudanças na indústria. Como o esporte evolui, a criação de cavalos também está evoluindo para produzir cavalos mais atléticos, o que, por sua vez, impõe mais exigências sobre as ferraduras e os ferreiros. Sendo assim, este encontro de mentes envolve a troca de conhecimento no mais alto nível.