Tamanho do texto

Após duas pratas consecutivas, levantador de 30 anos chega ao auge da carreira com o ouro conquistado em casa e de alma lavada

Bruninho é um dos principais jogadores da seleção brasileira de vôlei
Ministério do Esporte
Bruninho é um dos principais jogadores da seleção brasileira de vôlei

Após perder a medalha de ouro nas duas últimas edições dos Jogos Olímpicos, em Pequim 2008 e Londres 2012, para Estados Unidos e Rússia, respectivamente, o levantador e capitão da seleção brasileira de vôlei, Bruninho, coroou sua carreira com o título no Rio 2016 diante da Itália por 3 sets a 0 , no último dia de disputas das Olimpíadas.

Logo depois do revés na capital da Inglaterra, de virada para os russos, o ex-jogador Giba disse que Bruninho, à época com 26 anos, estava apto para alcançar a tarefa de liderar a seleção de vôlei , que deixaria de contar com diversos atletas mais velhos. Em seu currículo já estavam os títulos Mundiais, da Copa do Mundo e da Liga Mundial. Lá, mesmo com a prata no peito, o levantador chorou no pódio, desta vez, o choro veio novamente, mas por outro motivo.

LEIA MAIS:  Emocionado e bicampeão olímpico, Serginho se despede da seleção

"Passou um filme de toda minha vida, de muitas pessoas que eu gostaria de agradecer, de todos os jogadores que tive ao meu lado, dos treinadores, das pessoas que estiveram presentes nos momentos mais difíceis, como Londres e Pequim, de tanta coisa que a gente escutou. Era o momento, de certa forma, da redenção", afirmou Bruninho.

Bruninho se emociona no alto do pódio do Rio 2016
Fernando Frazão/Agência Brasil
Bruninho se emociona no alto do pódio do Rio 2016

Justamente por ser filho do técnico Bernardinho, Bruninho carregava consigo um peso maior e a necessidade de provar mais do que os outros, para que ninguém viesse a achar que a convocação fosse pelo lado pessoal. E justamente as derrotas nos Jogos o amadureceram como capitão e atleta. E para ele, não haveria melhor maneira de conquistar a medalha dourada.

LEIA MAIS:  Ícone do vôlei mundial, Bernardinho ganha sétima medalha em nove Olimpíadas

"Conquistar o ouro olímpico em casa, depois de tudo que nós passamos, é sensacional. É o ouro do Bruno, do Wallace, do Murilo, do Sidão, do Lucão, de toda essa galera que merecia demais. É o dia da redenção depois de tantas bolas na trave. Agora ela bateu e entrou", continuou.

FUTURO

E com a medalha no peito, o levantador revelou que pretende continuar na seleção brasileira de vôlei e participar de mais um ciclo olímpico. "A gente já tem uma certa idade, mas falei que não quero pensar no amanhã ou daqui a quatro anos. Claro que tenho vontade de permanecer, adoro representar o meu país, é um grande orgulho. Realizei o maior sonho da minha vida, perto do nosso povo, e isso é o mais importante", finalizou o jogador.

*Com Estadão Conteúdo