Tamanho do texto

São quatro classificações de acordo com a deficiência do atleta e apenas uma prova disputada, a de adestramento

Hipismo é uma das modalidades das Paralimpíadas
Divulgação
Hipismo é uma das modalidades das Paralimpíadas

Diferente do hipismo tradicional dos Jogos Olímpicos, na modalidade paralímpica são disputadas apenas provas de adestramento: individual, por equipes e freestyle. As exceções são as competições de CCE (Concurso Completo de Equitação) e saltos.

E mais:  Quais são as raças de cavalo ideais para o hipismo?

Seja individualmente ou por equipes, os competidores devem executar uma série de movimentos pré-determinados - como passos, trotes e galopes - de acordo com o grau de deficiência do cavaleiro. As equipes dos países têm de três a quatro integrantes, sendo homens e mulheres competindo de forma igualitária.

No freestyle, os movimentos são livres e devem ser executados ao som de uma música.

Classificação

Hipismo nas Paralimpíadas
Divulgação
Hipismo nas Paralimpíadas

Classe I : Cadeirantes com pouco ou nenhum equilíbrio do tronco, ou debilitados nos quatro membros

Classe II : Cadeirantes ou atletas com severa debilitação no tronco ou unilateral

Classe III : Atletas capazes de caminhar sem suporte, com moderada debilitação unilateral; atletas com total perda de visão em ambos os olhos

Classe IV : Debilitação de um ou mais membros ou algum grau de deficiência visual

Adaptações

Por questões de acessibilidade e segurança, a pista é menor do que a convencional e a areia utilizada é compactada para facilitar a locomoção.  Durante a apresentação, o cavaleiro (ou amazona) não pode emitir qualquer tipo de som – mas atletas cegos podem contar com sinalizações sonoras para orientar melhor seus cavalos.

Arbitragem

Espalhados pela arena, os juízes avaliam a precisão dos movimentos, com notas de 0 a 1 – vence quem tiver as melhores notas. Até os menores detalhes, como a posição da cabeça dos cavalos, são observados pelos juízes e os erros são indicados por meio de sinos.