Tamanho do texto

Em entrevista a jornalista da NBC, nadador disse que assalto ocorreu em parada em posto e negou estar encobrindo comportamento inadequado

BBC

Pivô do caso do suposto assalto a nadadores olímpicos americanos no Rio de Janeiro, Ryan Lochte "amenizou" ou "recuou" em pontos de sua versão da história, segundo a rede americana de TV NBC.

Lochte concedeu entrevista ao apresentador da NBC Matt Lauer, que detalhou a conversa no horário nobre da emissora.

8 argumentos dos organizadores para explicar 'mistério' das arenas vazias da Rio 2016

De acordo com Lauter, Lochte em geral sustentou a mesma versão, mas com algumas mudanças. Ele inicialmente havia dito à própria NBC que os ladrões, passando-se por policiais em uma falsa blitz, pararam o táxi em que ele e outros três atletas estavam.

Ryan Lochte e sua estranha história de assalto no Rio
Team USA
Ryan Lochte e sua estranha história de assalto no Rio

Agora, ele afirmou que a abordagem ocorreu quando o táxi parou em um posto de gasolina para que os nadadores fossem ao banheiro. Nessa ocasião, conforme a NBC descreveu o relato do atleta, dois homens com armas e distintivos se aproximaram do carro e ordenaram que os nadadores descessem e se deitassem no chão.

"Quando eles voltaram ao táxi e pediram ao motorista para ir, disse Lochte, o motorista não respondeu, e os nadadores foram abordados na sequência", afirmou a NBC em texto sobre o caso.

Lochte também disse ao apresentador que a arma foi "apontada na minha direção", o que não bate com sua descrição inicial sobre um revólver ter sido colocado contra sua cabeça.

Questionado sobre essas divergências, o nadador de 32 anos, 12 vezes medalhista olímpico, disse que foi uma "descaracterização traumática" (traumatic mischaracterization, no original em inglês) motivada pelo estresse do momento.

Por que as gêmeas alemãs que chegaram de mãos dadas na maratona despertaram polêmica no mundo esportivo

O apresentador também questionou o nadador se os atletas estavam tentando encobrir algum comportamento constrangedor. "(Mas ele) interrompeu-me rapidamente, negando enfaticamente aquilo", afirmou o jornalista.

Lochte reafirmou que é vítima na história, e que ninguém na polícia disse que ele deveria ter permanecido no Brasil. Ele afirmou ter dito às autoridades que estava localizável e iria cooperar.

"Ele (Lochte) disse que (o contato com policiais) foi casual, amigável e vago, e que eles não fizeram muitas perguntas a ele", relatou o apresentador.

Versão inicial

De acordo com a versão original de Lochte, endossada pelo Comitê Olímpico Americano, os nadadores voltavam de uma festa na Casa da França, na Lagoa Rodrigo de Freitas, quando ladrões armados pararam o táxi em que estavam, exigindo dinheiro e bens.

O caso só veio à tona porque a mãe de Lochte falou a respeito ao jornal USA Today e à rede Fox Sports Australia - os atletas não prestaram queixa.

Lochte disse ao jornal USA Today que ele e os outros nadadores não relataram o caso imediatamente ao Comitê Olímpico Americano porque "estavam com medo de entrar em apuros", porque não sabiam se tinham infringido regras do comitê. E que só fizeram o relato após se certificarem de que não haviam infringido nenhuma norma.

"Nós fomos parados, no táxi, e esses caras vieram com um distintivo de polícia, sem luzes, sem nada, apenas um distintivo, e nos pararam", afirmou Lochte em uma primeira entrevista à NBC.

"Eles sacaram as armas, disseram aos outros nadadores para deitar no chão - eles se deitaram. Eu me recusei, estava dizendo que não tínhamos feito nada errado - não vou me deitar no chão."

"E daí o cara sacou a arma, engatilhou, colocou na minha cabeça e disse: 'deite-se', e eu levantei as mãos e estava (agindo como se dissesse) 'paciência'. Ele pegou nosso dinheiro, minha carteira - deixou meu celular e minhas credenciais."

Ofensiva policial e judicial

A pedido da Polícia Civil, que apontou divergências nos depoimentos de Lochte e de James Feigen, a Justiça proibiu nesta quarta-feira ambos de deixarem o país. Lochte deixou o país na segunda-feira, e Feigen ainda estaria no país, mas seu paradeiro é incerto.

Segundo a ordem da juíza Keyla Blanc, do Juizado Especial do Torcedor e Grandes Eventos, há possíveis divergências nos relatos de Lochte e Feigen à Polícia Civil.

A vida dos estudantes americanos com dívidas acima dos R$ 500 mil

Lochte, por exemplo, disse à polícia ter sido abordado por um assaltante, que exigiu a entrega de todo o dinheiro (US$ 400). Feigen contou que os atletas foram surpreendidos por alguns assaltantes, mas que apenas um deles estava armado.

Em entrevista à NBC, o advogado Jeff Ostrow, que representa Lochte, disse que essa questão é "bobagem". "Ryan (Lochte) sempre afirmou que eram vários ladrões. Não sei se três ou quatro, mas vários. Se apenas um cara tivesse feito a abordagem, ele (Lochte) provavelmente teria batido nele", afirmou o defensor, segundo a rede americana.

Ostrow disse ainda à NBC que os policiais que ouviram os nadadores não falavam inglês bem.

Ao jornal The New York Times, Ostrow sugeriu que autoridades brasileiras possam estar usando o caso para desviar a atenção de outros problemas: "O país tem uma nuvem negra sobre si por um milhão de razões, da economia e crime ao gerenciamento da Olimpíada."

O comportamento dos atletas na chegada à Vila Olímpica, registrado por câmeras de segurança, também chamou a atenção da polícia e da juíza.

"Percebe-se que as supostas vítimas chegaram com suas integridades físicas e psicológicas inabaladas, fazendo, inclusive, brincadeiras uns com os outros", afirmou a magistrada na decisão.

Outro ponto que levantou suspeitas foi o horário do suposto assalto. Nas primeiras versões à polícia, eles disseram que o assalto ocorreu no trajeto entre a Casa França e a Vila dos Atletas, e que deixaram a festa por volta das 4h. Mas câmeras de segurança teriam mostrado que eles deixaram a Casa França quase às 6h, chegando à Vila dos Atletas, na região da Barra da Tijuca, às 6h56.

O caso alcançou ainda maior repercussão após os outros dois nadadores envolvidos no caso terem sido retirados de um avião por autoridades brasileiras na noite de quarta-feira.

Gunnar Bentz e Jack Conger foram retirados da aeronave e levados para a delegacia da Polícia Federal no aeroporto do Galeão, onde foram liberados sob condição de continuarem a prestar esclarecimentos.