Tamanho do texto

"Foi minha despedida. Não queria sair desse jeito. É um momento muito triste para mim, não era o que eu queria, mas é assim"

Vôlei brasileiro perdeu Sheilla, que se aposentou
Rio 2016/REPRODUÇÃO
Vôlei brasileiro perdeu Sheilla, que se aposentou

Além de perder a classificação às semifinais dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a seleção feminina de vôlei perdeu também Sheilla, que anunciou sua aposentadoria da equipe nacional minutos depois da eliminação diante da China, por 3 sets a 2, no Maracanãzinho. A atleta disse em entrevistas para emissoras de televisão e escreveu em rede social que a derrota foi a sua última partida pelo Brasil.

Decepção
Brasil leva virada da China e dá adeus ao tricampeonato no vôlei feminino

"Foi minha despedida. Não queria sair desse jeito. Queria estar na final para buscar o tri olímpico. É um momento muito triste para mim, não era o que eu queria, mas é assim", afirmou a jogadora de vôlei . A oposto esteve em quadra durante a maior parte do revés contra as chinesas, que tirou do Brasil a chance do tricampeonato olímpico, apesar do seu favoritismo.

Sheilla fez parte do elenco que levou ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, e em Londres, em 2012, mas aos 33 anos de idade ela entende que o momento é de parar. "Hoje é um dia muito triste pra mim, não só pela eliminação, mas porque meu último jogo pela seleção não foi como eu queria. Não era para ser hoje. Infelizmente, para mim deu", escreveu em um dos trechos do texto que publicou em uma rede social.

Confira mais sobre vôlei nos Jogos Olímpicos

Pedido de Zé e possível volta ao Brasil

A jogadora contou que só ficou por 14 anos na seleção brasileira de vôlei por insistência do treinador José Roberto Guimarães, que comanda a equipe feminina por muitos anos e esteve na campanha do bi olímpíco. "O Zé pediu para eu ficar até 2012, valeu muito a pena, mas infelizmente não deu. Estou aqui há 14 anos, consegui várias coisas pelo Brasil, consegui ter satisfações pessoais, proporcionar coisas para minha família. Para mim, deu. Precisam surgir outras jogadoras para minha posição, isso vai ser forçado", concluiu.

Veja:  Seleções brasileiras de vôlei ganham roupa nova para os Jogos Olímpicos

Sheilla, no entanto, vai continuar jogando vôlei. Ela defendeu o VakıfBank, da Turquia, na última temporada e agora vai definir seu futuro com tranquilidade. A tendência é que a atleta retorne ao Brasil para jogar a Superliga e, enfim, encerrar de vez sua vitoriosa carreira dentro do esporte.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.