Tamanho do texto

Maior promessa da ginástica, aos 19 anos, Biles sobra na disputa da ginasta mais completa, nos Jogos do Rio 2016. Americana se emociona com ouro

Simone Biles reinou na disputa da ginasta mais completa
Reprodução/Twitter
Simone Biles reinou na disputa da ginasta mais completa

Depois de liderar os Estados Unidos na conquista do ouro por equipes, Simone Biles pôde brilhar sozinha nesta quinta-feira. Nos Jogos Olímpicos do Rio, a norte-americana dominou três dos quatro aparelhos e tornou-se a ginasta mais completa do mundo. Com a somatória 62,198, a norte-americana conquistou a medalha de ouro, na Arena Olímpica do Rio. A compatriota Alexandra Raisman (60,098) garantiu a prata e a russa Aliya Mustafina (58,665) completou o pódio.

A brasileira Rebeca Andrade não conseguiu repetir a boa atuação da fase preliminar e terminou em 11º lugar, com o total 56,965. Já Jade Barbosa, que ficou em 10º lugar em Londres-2012, machucou o tornozelo direito durante sua apresentação no solo e teve de abandonar a final do individual geral antes do fim.

No Rio, Simone Biles disputa a sua primeira Olimpíada da carreira. A estreia só não ocorreu nos Jogos de Londres porque ainda não tinha completado 16 anos, exigência da Federação Internacional de Ginástica (FIG). Em 2012, ela acompanhou suas compatriotas em um telão dentro de seu centro de treinamento e persistiu no sonho. Agora, aos 19 anos, tem mostrado o seu talento para o mundo.

Rebeca se apresenta no solo durante final do individual geral. Brasileira ficou em 11º lugar
Reprodução/Twitter
Rebeca se apresenta no solo durante final do individual geral. Brasileira ficou em 11º lugar

No primeiro aparelho, a dupla dos Estados Unidos mostrou ser o "Dream Team" da ginástica artística. Notas altíssimas marcaram as primeiras apresentações no salto. Simone garantiu 15,866 - nota um pouco mais baixa do que na fase classificatória -, enquanto Alexandra Raisman somou 15,633. Apesar do desequilíbrio na aterrissagem, Rebeca fez 15,566 e só ficou atrás da dupla norte-americana. Enquanto isso, Jade passou sua série sem quedas e levou o público ao delírio. A nota 13,700 decepcionou e foi motivo de leves vaias na Arena Olímpica do Rio.

Nas barras paralelas assimétricas, Simone demonstrou seu ponto fraco. A nota 14,966 permitiu que a russa Aliya Mustafina assumisse a ponta provisória depois de obter 15,666. Foi o único aparelho que a americana parou na fase classificatória e não disputará a final. Com 14,033, Rebeca ficou abaixo das principais ginastas na segunda rotação e perdeu duas posições. Ela entrou no aparelho logo após a companheira Jade se machucar durante sua apresentação no solo e deixar a área de competição de cadeira de rodas.

SAIBA MAIS: Fique por dentro de tudo que rola nas Olimpíadas

A talentosa norte-americana retomou o controle no terceiro aparelho. A nota 15,433 na trave recolocou Simone na ponta da classificação geral. Sua adversária não ofereceu resistência e recebeu apenas 13,866. Insatisfeita com o resultado, solicitou a revisão da nota e teve o pedido negado. A brasileira também teve um desempenho ruim na trave, e os 13,600 pontos deixaram-na em 8º lugar provisoriamente.

A veterana Aly Raisman conquista a prata
Reprodução
A veterana Aly Raisman conquista a prata

E o sonho de Rebeca chegou ao fim com o anúncio da pontuação 13,766 por sua apresentação no solo, ao som de Beyoncé. As vaias foram substituídas por gritos com o nome brasileira. Assim, a ginasta de 17 anos encerrou sua primeira participação olímpica. Em seguida, Raisman veio forte para brigar pela dobradinha e caiu no choro no fim da série. O último ato ficou por conta de Biles, que empolgou a plateia. A nota 15,933 abrilhantou a sua vitória. E as lágrimas em seu rosto mostraram a importância de sua conquista.