Tamanho do texto

Modalidade é o único esporte onde homens, mulheres, jovens e atletas mais experientes disputam provas individuais e por equipe sob a mesmas condições

Igualdade de gênero é uma marca do hipismo
Divulgação
Igualdade de gênero é uma marca do hipismo

Homens e mulheres, infelizmente, não desfrutam das mesmas oportunidades, direitos e obrigações em todos os campos da vida, como educação, trabalho, saúde e poder e influência. Mas a igualdade de gênero luta por isso, para que seja alcançada essa compatibilidade das pessoas, independente do sexo. 

E MAIS
Hipismo: mulheres se destacam em esporte que promove igualdade de gênero

Porém, no hipismo, a igualdade de gênero  já é uma conquista, e de longa data. A modalidade olímpica é o único esporte onde homens, mulheres, jovens e atletas mais experientes disputam provas individuais e por equipe sob a mesmas condições.

No Rio 2016, 40 dos 60 cavaleiros de adestramento são mulheres - as amazonas -, segundo a FEI (Federação Equestre Internacional). A atleta brasileira Giovana Pass, de 18 anosm será a mais nova da equipe nacional de hipismo e uma das mais jovens das Olimpíadas. Na mesma arena, em disputa pelo ouro, estará a veterana de 62 anos Julie Brougham, da Nova Zelândia.

Dos 11 times equestres que vão disputar o evento no Rio de Janeiro, cada um com quatro conjuntos (cavalo-cavaleiro), a Austrália é a única a ter uma equipe somente com mulheres. Dinamarca, Alemanha, Suécia e Estados Unidos têm, cada um, três amazonas, enquanto os Holanda e Espanha possuem três cavaleiros em seu time.

CONFIRA
Você sabe como os cavalos chegaram aos Jogos Olímpicos do Rio?

Confira alguns atletas falando sobre a igualdade de gênero no hipismo :

Luiza Almeida – Brasil - Adestramento

Luiza Almeida, amazona brasileira
Arquivo pessoal
Luiza Almeida, amazona brasileira

“No hipismo homens e mulheres podem competir por igual e eu acho isso maravilhoso. Essa é uma característica que torna o hipismo um esporte muito nobre, não somente por essa questão de igualdade de gênero, mas também de idade. Eu bati o recorde nas Olimpíadas de Pequim sendo a atleta mais jovem e, ao mesmo tempo, tinha um atleta japonês batendo o recorde sendo o mais velho. Essa nobreza do esporte só fortalece  a ideia de que, independente do seu gênero ou idade, se você se dedicar e trabalhar com disciplina, foco e amor, os resultados poderão aparecer independente de todas essas coisas. Tenho muito orgulho de representar o Brasil nessa modalidade tão nobre.”

Giovana Pass – Brasil - Adestramento

“Uma das características especiais do hipismo é a competição em igualdade de condições entre homens e mulheres. Isso acontece porque a força física usada no esporte vem do cavalo. Fica com o cavaleiro a parte técnica e artística. O corpo do cavalo, junto com a mente do cavaleiro e os dois corações unidos. Isso é lindo demais! É único e de arrepiar!” 

VEJA TAMBÉM
Quatro irmãos representam o Brasil no hipismo dos Jogos Olímpicos

Manuel Almeida – Brasil - Adestramento

“Quando saberemos que a igualdade de gênero foi alcançada? Quando nós nem pensarmos mais nisso. Quando você nem pensa mais se o homem está fazendo mais, ou se a mulher está fazendo mais. Quando não há essa discriminação isso não passa pela nossa sua cabeça. Nós, atletas do adestramento e do hipismo em geral, já temos essa sensação. E se vocês não tivessem nos lembrado que no hipismo homens e mulheres competem em pé de igualdade, eu não teria pensado nisso. Isso já é comum em nosso esporte, e nem passa pela nossa cabeça. É por isso que eu acho que nosso esporte é uma prova de que a igualdade de gênero pode ser alcançada”

Doda Miranda – Brasil - Salto

“O cavalo não distingue ninguém por raça, cor ou gênero. Isso me fascina muito no hipismo. Bem antes de se falar no empoderamento feminino, em cima do cavalo mulheres e homens competem em condições de igualdade”

Thomas Bach – Presidente do COI

“Nós alcançamos a igualdade de gênero como um objetivo principal da Agenda 2020 e o hipismo sempre foi o palco dessa questão, com homens e mulheres competindo uns com os outros em pé de igualdade pelas medalhas”

Thomas Bach, presidente do COI
GUILHERME DIONíZIO/ESTADÃO CONTEÚDO
Thomas Bach, presidente do COI


Kristina Bröring-Sprehe – Alemanha – Adestramento

“O hipismo é o único esporte olímpico onde homens e mulheres competem uns com os outros pelas medalhas em todas as modalidades. É somente quando você se torna um pouco mais velho que você percebe o quanto isso é especial. E esta é uma das muitas razões de o esporte ser tão popular com mulheres de todas as idades. A igualdade de gênero é muito importante para o Movimento Olímpico.”

Yuko Kitai – Japão –Adestramento

 “No hipismo, a questão não é poder, mas sim habilidade. Ao se pensar no cavalo como um atleta, ser um cavaleiro requer muita habilidade e, para tal, não importa se você é homem ou mulher. É por isso que ambos os sexos competem juntos no esporte. No hipismo, não importa o gênero. Desde que eu era criança, homens e mulheres sempre competiram na mesma arena juntos, por isso, eu nunca pensei nessa questão de gênero. ” 

Charlotte Dujardin – Grã-Bretanha – Adestramento

"Eu acho que o hipismo é o único esporte que tem homens e mulheres competindo uns com os outros. A maioria dos outros esportes separam os gêneros. Não importa se você é homem ou mulher, nós tomos fazemos a mesma coisa e encaramos as mesmas provas e precisamos ter uma boa performance. Eu acho isso maravilhoso. ”

Isheau Wong –Taipei Chinesa– Salto

 "O hipismo é um esporte único, ao contrário de alguns outros esportes, onde há predomínio do gênero masculino. Salto não leva em consideração o gênero do cavaleiro, a aparência, o formato ou tamanho do cavalo, desde que o cavaleiro e o cavalo alcancem um objetivo comum e completem o curso e se tornem um excelente conjunto. Não importa o sexo do cavalo ou do cavaleiro.” 

Alex Hua Tian – China – CCE

 “O hipismo não somente testa o talento do cavalo e cavaleiro, mas, mais do que isso, a parceria entre ambos. Dois corações competindo como apenas um é a chave para o sucesso, e isso nada tem a ver com o sexo do cavaleiro ou do cavalo. É por isso que, no hipismo, homens, mulheres, cavaleiros jovens e maduros podem todos competir entre si em todos os níveis”.

Carl Hester – Grã-Bretanha - Adestramento

 “Trabalhar junto com um cavalo para se tornar o melhor que você puder ser requer habilidade, dedicação, paciência e trabalho duro. E o gênero do cavaleiro pouco importa. O esporte é sobre ser o melhor que você puder. Eu sempre tive muito orgulho pelo fato de que, no meu esporte, todos podem competir igualmente lado a lado e não o imaginaria de outra forma. É ótimo dividir os altos e baixos com meus companheiros cavaleiros, homens e mulheres. E acho que isso traz algo muito especial às Olimpíadas.”

Ludger Beerbaum –Alemanha – Salto

Ludger Beerbaum exalta igualdade de gênero
Divulgação
Ludger Beerbaum exalta igualdade de gênero

“O hipismo é único em tantas formas – nossa parceria com o cavalo, homens e mulheres competindo lado a lado e todas as idades competindo no maior nível do esporte – é isso que o faz tão especial. Eu ganhei minha primeira medalha olímpica com 25 anos de idade e tenho orgulho de representar meu país novamente na Rio 2016 com 52 anos. A trajetória de nossa carreira em nosso esporte traz uma incrível diversidade de pessoas e talento para competir umas com as outras e juntas em um time. Isso é algo que poucos esportistas podem experimentar. E o fato de que homens e mulheres competem uns com os outros em cada passo das provas – isso não se vê em qualquer outro esporte.”

Michael Jung – Alemanha – CCE

“Ter homens e mulheres competindo lado a lado é tão natural para nós e nosso esporte não seria o mesmo sem essa peculiaridade. Eu fiquei tão orgulhosa de subir no pódio nas Olimpíadas de Londres junto com  Sandra Auffarth, Ingrid Klimke e Dirk Schrade. Juntos formamos um ótimo time, mas eles também são alguns dos meus rivais mais difíceis. Nosso esporte é talento, dedicação e a parceria que temos com nosso cavalo. Quando você tem esses três elementos juntos, o gênero não é relevante. A verdadeira igualdade de gênero é o que torna nosso esporte tão único.”