Tamanho do texto

Segundo nota da PF, investigações apontam fraudes no transporte de entulho da obra, com falsificação de documentos e superfaturamento no Complexo Esportivo de Deodoro

A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira oito mandados de busca e apreensão na sede do consórcio encarregado das obras da Área Norte do Complexo Esportivo de Deodoro, na zona oeste do Rio de Janeiro, segunda principal área de competições dos Jogos Olímpicos deste ano.

Parte do Complexo Esportivo de Deodoro
André Motta/Brasil2016.gov.br
Parte do Complexo Esportivo de Deodoro

Segundo nota da Polícia Federal, investigações apontam fraudes no transporte de entulho da obra, com falsificação de documentos e superfaturamento. Também foram detectados indícios de falsificação nos registros dos volumes de resíduos das obras de construção civil, que são transportados do local das obras e, depois, depositados em um bota-fora no município de Duque de Caxias (RJ).

Leia

Em busca do tri, seleção feminina de vôlei estreará contra Camarões no Rio 2016

Pressionada, OMS convoca reunião de emergência para debater zika na Olimpíada

As despesas referentes à tarifa de disposição de resíduos da construção civil no local licenciado também não foram pagas. Os mandados são cumpridos também em duas empresas prestadoras de serviço para o consórcio Complexo Deodoro, formado pelas empresas Queiroz Galvão e OAS.

Em nota, o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (MTFC) - antiga Controladoria-Geral da União (CGU) - informou que "a operação objetiva desarticular uma ação criminosa que resulta em desvio de recursos públicos nas obras". Em razão das irregularidades detectadas nas obras do complexo, a 3ª Vara Criminal Federal determinou, em março deste ano, bloqueio de R$ 128,5 milhões que seriam destinados ao pagamento do Consórcio Complexo Deodoro.

"A simulação de despesa de transporte de resíduos das obras, com a falsificação de documentos públicos e a oneração de custos incidentes sobre as obras olímpicas, representa um prejuízo potencial de R$ 85 milhões aos cofres públicos", afirmou o MTFC.

Além da PF e do ministério, participam da Operação Bota-Fora a Receita Federal e o Ministério Público Federal.