Tamanho do texto

Mario Andrada, diretor de Comunicação do Rio-2016, disse que a crise econômica seria o motivo das vendas abaixo do esperado

Ainda existem ingressos para os Jogos Olímpicos deste ano
Alex Ferro/Rio 2016
Ainda existem ingressos para os Jogos Olímpicos deste ano


Os organizadores dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro venderam apenas 47% dos ingressos até agora e a atratividade dos eventos começa a preocupar o Comitê Olímpico Internacional (COI). Nesta quarta-feira, o presidente do Comitê Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, explicou aos membros internacionais do COI os detalhes sobre o orçamento do evento, o que levantou certas preocupações em termos do impacto dos cortes sobre os Jogos.

E MAIS:

Brasil anuncia nesta quarta corte de R$ 900 milhões no orçamento da Olimpíada
Rio 2016 divulga roteiro da tocha olímpica e atletas para o revezamento

No total, o Rio-2016 informou ao COI que arrecadou US$ 194 milhões, 74% da receita que se esperava. Mario Andrada, diretor de Comunicação do Rio-2016, admitiu que a crise econômica no Brasil seria um dos motivos das vendas abaixo do esperado, principalmente para os Jogos Paralímpicos. Os principais eventos como a abertura dos Jogos, já estão "tecnicamente esgotados".

Ingressos para os Jogos do Rio de Janeiro
Divulgação
Ingressos para os Jogos do Rio de Janeiro

Segundo Andrada, cabines eletrônicas vão ser instaladas pela cidade do Rio para garantir maior venda. A questão dos ingressos porém, tem deixado o COI alarmado. Para diversas federações esportivas, a renda dos Jogos é a principal fonte de recursos por quatro anos.

Andrada e Nuzman, porém, mantinham discursos diferentes. Ao falar com a imprensa, Nuzman garantiu que não haveria um corte no orçamento. Já Andrada admitiu "cortes impressionantes", inclusive em construções temporárias e operações das instalações. O orçamento, porém, ficou por enquanto equilibrado em R$ 7,4 bilhões.

Segundo o Estado de S. Paulo apurou, o Rio-2016 foi obrigado a cortar 12% do orçamento, cerca de R$ 900 milhões. Nesta quarta, diante do COI, os brasileiros foram obrigados a explicar os números.

Nuzman, porém, insiste que "nada" vai afetar os Jogos e os serviços prestados aos atletas. O dirigente também garante que a crise política no Brasil não está influenciando a preparação da Olimpíada.

Questionado sobre as obras do metrô, a liberação tardia de dinheiro pelo BNDES e problemas entre prefeitura, governo do estado e governo federal, Nuzman garantiu que existe "unidade total".

VÍRUS ZIKA

Nuzman também voltou a garantir aos organizadores do COI que a questão do vírus da zika não será um obstáculo ao evento. Citando a Organização Mundial da Saúde (OMS), os brasileiros insistiram que não existe recomendação para não viajar ao País.

Nesta semana, porém, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos sugeriu que mulheres grávidas não viagem aos Jogos.