Tamanho do texto

"São condições bem diferentes da que vamos encontrar no Rio, mas a gente já sabia disso", avalia

Assim como no Rio Open, Marcelo Melo e Bruno Soares decidiram estar do mesmo lado da quadra no Brasil Open de Tênis, em São Paulo. O objetivo da dupla é chegar bem preparada nos Jogos Olímpicos e, para Soares, a experiência está sendo positiva.

Soares e Melo estreiam com vitória fácil no Brasil Open

"Em termos de jogar no Brasil, ao lado do Marcelo e sentir essa atmosfera, está sendo um bom teste. 'Tenisticamente' falando, nem tanto. São condições bem diferentes da que vamos encontrar no Rio, mas a gente já sabia disso", avalia.

Marcelo Melo e Bruno Soares são esperança de medalha
Divulgação
Marcelo Melo e Bruno Soares são esperança de medalha


As duas competições são disputadas no saibro, enquanto a Olimpíada contará com quadras rápidas. A escolha do piso duro para os Jogos do Rio é vista com bons olhos pelos duplistas brasileiros. "Meus quatro títulos de Grand Slam foram conquistados em quadra rápida, eu adorei a escolha. Prefiro quadra rápida ao saibro, o Marcelo também. A gente não tem nada do que reclamar disso", exalta Bruno.

Outra mudança aguardada por eles deve-se à formação imprevisível das duplas na Olimpíada . "A gente não sabe realmente até a turma escalar e, mesmo depois de ver a lista dos jogadores, você não tem informação alguma sobre como vão jogar juntos", explica.

Apesar disso, ele destaca a força dos irmãos norte-americanos Bob e Mike Bryan, ouro na Olimpíada de Londres-2012 e bronze em Pequim-2012. "Os irmãos Bryan, independentemente da fase em que estão, são extremamente perigosos. Eles estão com o último ouro olímpico, são a melhor dupla da história. Não dá para tirar deles o favoritismo."