Tamanho do texto

Paulista é o primeiro brasileiro garantido nas quartas de final da terceira e última etapa australiana do Circuito Mundial; Medina caiu para português

O paulista Caio Ibelli foi o destaque do Brasil nas ótimas ondas do Bowl de Bells Beach e de Winkipop, terceira etapa do Mundial de Surfe de 2017, neste domingo, na Austrália. Ele fez grandes apresentações no duelo brasileiro com o pernambucano Ian Gouveia no Bowl e contra o taitiano Michel Bourez, em Winkipop, e ultrapassou a barreira dos 17 pontos de 20 possíveis nas duas vezes. A segunda vitória valeu duas chances de classificação para as quartas de final do Rip Curl Pro Bells Beach.

Leia também: Aos 16 anos, Samuel Pupo estreia no mundial de surfe em Bells Beach

Já Wiggolly Dantas, outro brasileiro ao lado de Caio Ibelli , festejou sua primeira vitória em baterias do Circuito Mundial de Surfe em 2017, enquanto o campeão mundial Gabriel Medina foi eliminado pelo português Frederico Morais na abertura da terceira fase, terminando em 13.o lugar na última das três etapas australianas. O próximo desafio será no Brasil, de 9 a 20 de maio em Saquarema, no Rio de Janeiro.

Caio Ibelli é o primeiro brasileiro classificado às quartas da terceira etapa do Mundial de Surfe
WSL / Kelly Cestari
Caio Ibelli é o primeiro brasileiro classificado às quartas da terceira etapa do Mundial de Surfe

"Eu estava surfando com uma prancha 5´8´´ desde que cheguei em Bells e na bateria com o Ian (Gouveia) decidi surfar com uma 5´10´´ que ainda não tinha usado aqui. Com a prancha um pouco maior, eu pude botar mais força e pressão nas manobras", contou Caio Ibelli, após o duelo eletrizante com Ian Gouveia.

"Acho que foi uma boa escolha e estou amarradão de passar por esse round dois que todo surfista não quer perder. Bells é um lugar especial, eu e o Ian sempre surfamos juntos e a bateria deu muita onda boa para nós dois. Não parava de entrar onda, a gente fazia uma até a beira, remava por três minutos de volta até o fundo, respirava por 20 segundos e já vinha outra bomba. Foi bem cansativo, mas foi animal".

O duelo brasileiro foi o último disputado na manhã do domingo no Bowl de Bells Beach, antes da maré começar a encher. Caio começou bem a bateria, com uma combinação de fortes batidas e rasgadas para largar na frente com nota 8,33. Logo ele surfou outra boa onda com o mesmo ataque para tirar 8,17. Ian Gouveia respondeu com um backside agressivo e entrou na briga com nota 8,67. Mas, Caio confirmou a vitória por 17,26 a 14,67 pontos, massacrando outra onda excelente que valeu nota 8,93.

Antes dessa bateria, dois brasileiros já haviam sido eliminados e também terminado em 25.o lugar no Rip Curl Pro Bells Beach como Ian Gouveia, recebendo 10.000 dólares pela participação e apenas 500 pontos no ranking. O vencedor da triagem, Samuel Pupo, não teve chances contra um inspirado Joel Parkinson na segunda bateria do dia, encerrada em 16,57 a 12,83 pontos. E o potiguar Jadson André só surfou uma onda contra outro australiano, Connor O´Leary, que venceu fácil por 13,00 a 6,33 pontos.

Mais dois brasileiros disputaram a repescagem nas direitas de Winkipop, onde as condições estavam tão boas como no Bowl de Bells. No novo pico, quem brilhou foi o português Frederico Morais, que se tornou um carrasco dos brasileiros no domingo. A primeira vítima foi Miguel Pupo, que surfou uma onda de forma excelente que valeu nota 9,37. Só que o português fez três grandes apresentações e somou 9,67 com 8,27 para vencer por 17,94 a 14,87 pontos.

Leia também: Neozelandês bate brasileiro e conquista o QS em Martinica, no Caribe

Ainda na respescagem, Wiggolly Dantas finalmente conseguiu vencer sua primeira bateria do ano no CT. Ele já tinha surfado bem em Margaret River e conseguiu mostrar a força do seu backside de novo, dessa vez com mais eficiência e inteligência. Ele escolheu boas ondas para liquidar Kanoa Igarashi com a nota 9,33 que tirou em sua última atuação nas direitas de Winkipop. O surfista de Ubatuba já tinha recebido um 7,67 em sua primeira onda e totalizou 17,00 pontos contra 15,80 do norte-americano. Wiggolly agora vai enfrentar o defensor do título do Rip Curl Pro Bells Beach, Matt Wilkinson, na segunda-feira.

Vitória portuguesa

A segunda fase acabou e já começou a terceira, com Frederico Moraes enfrentando o campeão mundial Gabriel Medina na primeira bateria. Ele usou uma tática que acabou dando certo. A bateria começou com uma batalha pela prioridade de surfar a primeira onda e o brasileiro largou na frente com notas 6,00 e 7,57 nas duas primeiras que surfou. Não entraram muitas ondas boas, então a escolha das melhores era fundamental. Frederico não desperdiçou a primeira chance, manobrando forte numa direita que valeu nota 8,77. Ele ainda precisava de 4,80 para vencer e esperou até o último minuto, quando entrou uma onda para ele tirar 5,17 e vencer por uma pequena diferença de 13,94 a 13,57 pontos.

Gabriel Medina perdeu para Frederico Moraes  por 13,94 a 13,57 pontos.
WSL / Jack Barripp
Gabriel Medina perdeu para Frederico Moraes por 13,94 a 13,57 pontos.

"Eu sabia que ia ser uma bateria bem agressiva porque o Gabriel (Medina) é um oponente formidável", disse Frederico Morais. "A bateria foi muito intensa nos primeiros minutos, pois nós ficamos disputando um melhor posicionamento no mar para surfar a primeira onda. Por sorte, eu tive a primeira onda boa da bateria, consegui uma pontuação excelente e fiquei numa posição mais cômoda do que ele. As ondas estão muito boas e espero continuar dando show para todas as pessoas que vêm aqui para Bells assistir o campeonato".

Logo após Frederico Morais deixar Gabriel Medina em 13.o lugar no Rip Curl Pro Bells Beach, Caio Ibelli fez outra grande apresentação no segundo duelo da terceira fase. Ele e o taitiano Michel Bourez acharam ótimas ondas para mostrarem o seu surfe. O brasileiro começou com nota 7,07 e na segunda onda fez uma combinação de três manobras muito potentes que arrancaram 9,13 dos juízes. O taitiano respondeu com 8,00, 6,33 e 8,10 em suas três melhores ondas, mas Caio Ibelli sacramentou a vitória com o 7,90 recebido em sua última, para fechar o placar em 17,03 a 16,10 pontos.

Quartas de final

Os outros três brasileiros que continuam na disputa do título do Rip Curl Pro Bells Beach vão disputar as primeiras baterias da segunda-feira na Austrália. O recordista absoluto do campeonato, Filipe Toledo, vai abrir o dia enfrentando o veterano australiano Adrian Buchan. O campeão mundial Adriano de Souza entra na seguinte com o francês Jeremy Flores. E a terceira do dia será entre Wiggolly Dantas e Matt Wilkinson.

Leia também: Chloé Calmon vence etapa do mundial de longboard em Papua-Nova Guiné

Caio Ibelli vai disputar a primeira vaga direta para as quartas de final com o português Frederico Morais e o número dois do Circuito, e com o australiano Owen Wright, que venceu o duelo australiano com Bede Durbidge na bateria seguinte. O segundo confronto da quarta fase também já foi formado pelos últimos resultados do domingo e terá o atual campeão mundial John John Florence, o tricampeão Mick Fanning e o havaiano Sebastian Zietz.

    Leia tudo sobre: Surfe