Tamanho do texto

Medina, Wiggolly Dantas e Filipe Toledo avançaram direto à terceira fase. Mineirinho, atual campeão mundial, e outros três ainda brigam para avançar

Gabriel Medina venceu na primeira rodada da etapa da Califórnia do mundial de surfe
WSL / Kirstin
Gabriel Medina venceu na primeira rodada da etapa da Califórnia do mundial de surfe

A oitava das onze etapas do Circuito Mundial de surfe começou nesta quinta-feira e três brasileiros estrearam com vitórias nas ondas em Lower Trestles, San Clemente, Califórnia, Estados Unidos. A primeira foi difícil, com Gabriel Medina somando uma nota com apenas metade da outra por ter cometido interferência na disputa pela primeira onda da bateria. Já Wiggolly Dantas usou o seu "power surf" para derrotar o atual campeão mundial Adriano de Souza, o Mineirinho. Vale lembrar que todos os perdedores têm outra chance de classificação na segunda fase. Além deles, e com uma virada espetacular no último minuto, Filipe Toledo superou ninguém menos que Kelly Slater com um novo recorde de 17,50 pontos.

LEIA MAIS:  Gabriel Medina aponta principais adversários na briga pelo bicampeonato mundial

"O Kelly (Slater) é o melhor surfista do mundo desde que eu nasci, ver o que ele fez no Taiti (etapa passada que o norte-americano venceu) foi incrível", enalteceu Filipe Toledo, que mora na Califórnia e, ano passado, lutou até o fim pelo título mundial de surfe . "Ele (Slater) tem um monte de vitórias e bons resultados aqui em Trestles, então é ótimo para a minha confiança, saber que posso vencer o melhor surfista do mundo. As direitas estão balançando bastante e muito rápidas, então tive que mudar o jogo e estou feliz que tudo funcionou nos últimos minutos", continuou.

Miguel Pupo também precisará passar pela segunda fase na Califórnia
WSL / Kirstin
Miguel Pupo também precisará passar pela segunda fase na Califórnia

O paulista Miguel Pupo foi o primeiro brasileiro a se apresentar no em Trestles e ele quase vence a terceira bateria também na sua última onda. Mas, a nota saiu 7,10 e ele ficou com 14,77 pontos, não muito londe dos 15,10 do australiano Adrian Buchan. Na disputa seguinte, o campeão mundial Gabriel Medina foi penalizado com uma interferência na disputa com Alex Ribeiro pela primeira onda da bateria e sua segunda maior nota seria cortada pela metade. Ele não desistiu e aproveitou muito bem as duas chances que teve para mostrar a força do seu backside, ganhando as maiores notas da bateria.

LEIA  MAIS:  Do pessimismo ao orgulho, Jogos Olímpicos mudam a opinião do brasileiro

A primeira valeu 7,33 e no último minuto entrou outra direita boa para Medina mandar uma série de três manobras que valeram nota 8,0 e a vitória por 11,67 pontos. O australiano Adam Melling também surfou uma onda nos minutos finais, mas só conseguiu 10,93 pontos nas duas notas computadas, com Alex Ribeiro ficando em terceiro lugar com 9,80. Mesmo com a interferência, Medina ganhou a vaga direta para a terceira fase e Alex Ribeiro vai enfrentar o australiano número 4 do ranking, Julian Wilson, no segundo duelo eliminatório na Califórnia, nesta sexta-feira.

"Realmente você tem que confiar até o fim, confiar em Deus", disse Gabriel Medina, campeão mundial de surfe em 2014. "Como foi marcada a interferência, eu tinha que pegar uns high-scores (notas altas) e tentei até o fim, porque era a única chance para mim, então estou muito feliz que consegui. Isso acontece às vezes. Eu vi o Alex Ribeiro mais no inside, achei que podia ir na direita, aí foi marcada interferência, mas tudo bem, acontece. Vou ficar mais atento nas próximas, sem interferências mais (risos)", relatou o campeão mundial.

BRIGA PELA LIDERANÇA

Dos três surfistas que brigam pela liderança do ranking em Trestles, Medina foi o primeiro a competir na quinta-feira. O australiano Matt Wilkinson entrou na bateria seguinte e ficou em último, com o convidado do Hurley Pro, Tanner Gudauskas, ganhando a primeira nota 10 do campeonato numa onda detonada por várias manobras. Wilkinson agora vai ter que passar pelo outro "wildcard" da etapa norte-americana, Brett Simpson, na segunda fase. Se não conseguir, já perde a segunda posição no ranking para Medina.

O havaiano John John Florence confirmou o favoritismo contra o californiano Brett Simpson e o australiano Davey Cathels, mesmo usando uma proteção no joelho por causa de uma lesão no menisco sofrida dias atrás. Esta é a primeira vez que John John compete com a lycra amarela, dada aos líderes, e ele fez o suficiente para vencer por 14,17 pontos. Ele até voou num aéreo, mas usou mais o surfe de borda que causam menor impacto nos joelhos.

PARTICIPAÇÃO DUPLA

Depois dos principais concorrentes ao título deste ano, foi a vez do atual campeão mundial de surfe Adriano de Souza, o Mineirinho, fazer sua primeira apresentação no evento que ele foi vice-campeão na final do ano passado com Mick Fanning. Mas, quem brilhou foi o outro brasileiro da bateria. Wiggolly Dantas usou o seu "power surf" para levantar muita água nas manobras, principalmente na segunda e última onda que surfou e valeu nota 9,07 para confirmar a vitória por 15,47 pontos. Esta foi a primeira das duas baterias com participação dupla do Brasil.

Adriano de Souza, o Mineirinho, disputará a segunda fase na Califórnia
Sean Rowland / WSL
Adriano de Souza, o Mineirinho, disputará a segunda fase na Califórnia

"Estou muito feliz que deu tudo certo na bateria. As pranchas estão boas, esse tipo de mar se encaixa com o meu surfe e procurei fazer o meu melhor nas ondas que peguei", disse Wiggolly Dantas. "Eu adoro a Califórnia, é um lugar incrível, tenho treinado bastante e pretendo conseguir um bom resultado aqui. Peguei uma boa onda na bateria para fazer umas três manobras muito fortes e ganhar um high-score, então espero continuar achando boas ondas para ir avançando no campeonato", completou.

Mineirinho foi finalista desta etapa no ano passado, mas dessa vez não achou as ondas e ficou em último, atrás ainda do australiano Matt Banting. No entanto, ambos têm outra chance na segunda fase e o adversário de Adriano será o veterano Kai Otton na terceira bateria. Além dele, mais dois brasileiros já sabem quem vão enfrentar na primeira rodada eliminatória. Alex Ribeiro está na segunda bateria com o australiano Julian Wilson e Italo Ferreira na quinta com o havaiano Keanu Asing.

VITÓRIA DE VIRADA

Italo perdeu na outra bateria com dois brasileiros, junto com Caio Ibelli, para o australiano Jack Freestone. Os dois só surfaram uma onda boa na bateria e o australiano usou o aéreo para tirar nota 8,0 na sua primeira onda, que foi decisiva para garantir a vitória por 15,50 pontos. Este combate aconteceu logo após a virada mais espetacular do dia, do brasileiro Filipe Toledo sobre o maior ídolo do esporte, Kelly Slater.

LEIA MAIS:  No judô, Tenório vai em busca de sexta medalha em seis edições das Paralimpíadas

Filipe Toledo passou da primeira fase na Califórnia do Mundial de surfe com a nota de 17.50
Sean Rowland / WSL
Filipe Toledo passou da primeira fase na Califórnia do Mundial de surfe com a nota de 17.50

O onze vezes campeão mundial começou a bateria de forma fulminante, com nota 7,33 na primeira onda e 8,87 na segunda. Filipe tentou o aéreo no início, mas foi com sua incrível variedade de manobras modernas e progressivas de borda, que ele conseguiu as notas da vitória. A primeira valeu 8,17, mas ainda precisava de outra alta para vencer e a onda veio no último minuto para Filipe fazer uma série de batidas e rasgadas e ganhar 9,33 dos juízes. Com ela, superou os 16,20 pontos de Slater com o maior placar do dia até ali, 17,50. O francês Jeremy Flores não acompanhou o forte ritmo dos dois e ficou em último.

MELHOR DO DIA

Os 17,50 pontos do impressionante desempenho de Filipe Toledo só foram batidos no penúltimo confronto da quinta-feira em San Clemente, por Joel Parkinson. O australiano atingiu 18,67 pontos de 20 possíveis, ganhando notas 9,57 e 9,10 em duas ondas destruídas por grandes manobras com seu estilo impecável. O brasileiro Jadson André também surfou bem, buscando as esquerdas para voar nos aéreos, porém a maior nota que conseguiu foi 7,83 e ficou em terceiro lugar com 13,93 pontos, apenas 0,03 atrás do tricampeão mundial Mick Fanning.

Outro brasileiro está escalado na décima segunda e última bateria da primeira fase, Alejo Muniz, com o havaiano Sebastian Zietz e o taitiano Michel Bourez. Ela foi adiada para abrir a sexta-feira do surfe, devendo começar as 8h00 na Califórnia, meio-dia pelo fuso horário de Brasília.

    Leia tudo sobre: surfe