Tamanho do texto

Nadadora italiana de 28 anos venceu os 200m livre no Mundial de Piscina Curta, Windsor, no Canadá

Federica Pellegrini supera decepção no Rio e conquista ouro inédito
Reprodução
Federica Pellegrini supera decepção no Rio e conquista ouro inédito

Após a decepção nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a italiana Federica Pellegrini, maior nadadora da história do país, conquistou nesta quarta-feira (7) uma inédita medalha de ouro nos 200m livre, sua prova preferida, no Mundial de piscina curta, que acontece em Windsor, no Canadá.

LEIA MAIS: Jogador faz gol de letra, sofre ataque cardíaco minutos depois e morre em campo

Com um tempo de 1m51s73, a "Divina" superou a "dama de ferro" húngara Katinka Hosszú (1m52s28), considerada favorita à vitória, e a canadense Taylor Ruck (1m52s50). "Estou contentíssima, essa medalha fecha as conquistas de uma carreira", declarou Pellegrini , em referência ao único título que lhe faltava.

Medalhista de ouro olímpica, mundial, europeia e italiana, a nadadora só não tinha uma vitória em mundiais de piscina curta. "Nadei na raia três e cheguei a pensar naquela maldita final olímpica no Rio. Antes da prova foi difícil, mas depois me acalmei. Entrei na água e disputei a prova perfeita", continuou.

LEIA MAIS: Nadadora medalhista olímpica critica desistência de Roma para Jogos de 2024

Além do ouro nos 200m, Pellegrini também levou a Itália a uma inédita prata no revezamento 4x100m livre, atrás dos Estados Unidos e à frente da Holanda. Aos 28 anos, a "Divina" foi porta-bandeira da equipe italiana que participou dos Jogos do Rio de Janeiro e era candidatíssima ao pódio em sua prova favorita, mas acabou em quarto lugar, atrás do fenômeno norte-americano Katie Ledecky, da sueca Sarah Sjostrom e da australiana Emma McKeon.

Depois de passar em branco nos Jogos de 2016, a italiana chegou a falar em se aposentar, mas depois mudou de ideia e prometeu disputar as Olimpíadas de 2020 , em Tóquio.

Títulos

A primeira olimpíada de Federica foi em Atenas 2004, onde já estreou com uma medalha: prata nos 200m livre. Na mesma prova no ano seguinte repetiu a medalha prateada, desta vez no Campeonato Mundial de Montreal. Em 2006, evoluiu uma posição e conseguiu o primeiro ouro na sua prova favorita, no Campeonato Europeu de Trieste. Antes dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, conquistou outra prata nos 200m livre, em Xangai, além do bronze nos 400m livre.

No mesmo ano, Federica Pellegrini conquistou o ouro nos 400m livre no Campeonato Europeu de Eindhoven com direito a recorde mundial. Nas Olimpíadas, porém, terminou apenas em quinto lugar nos 400m livre. Já nos 200m livre, conquistou a medalha de ouro. Em Londres 2012 e no Rio 2016 ele passou em branco.