Alice Dearing
Reprodução/Instagram
Alice Dearing

A esportista Alice Dearing , referência na Inglaterra no que diz respeito a disputas em águas abertas, pode fazer história na próxima Olimpíada de Tóquio, marcada para 2021. Com 23 anos, ela tentará se tornar a primeira atleta negra a integrar a equipe de natação da Grã-Bretanha em 125 anos de Jogos Olímpicos .

Leia também: Nadador que integrou seleção brasileira está na UTI com Covid-19

Campeã mundial júnior na maratona aquática aos 19 anos, a atleta de 23 detém atualmente os melhores índices na prova entre os nadadores ingleses.

“Não quero sempre ser chamada de ‘nadadora negra da Grã-Bretanha’. Quero ser conhecida por minhas realizações. Mas, talvez seja necessário se isso ajudar a inspirar outra criança negra a entrar na piscina e apenas tentar”, afirmou ela, em entrevista ao noticiário britânico “The Guardian”.

Vale lembrar que a porcentagem de nadadores negros ou pardos registrados no órgão de esportes aquáticos daquele país representa apenas 1%, ao mesmo tempo em que o país é o sétimo maior vencedor em Olimpíadas no esporte, tendo conquistado 79 medalhas. “Ser uma garota-propaganda de natação negra é emocionante, porque realmente amo o esporte e quero ver o máximo de pessoas possível. Mas também é aterrorizante, porque há muita pressão. Eu racionalizei – se não for eu, quem? E quero que isso aconteça o mais rápido possível, para quebrar essa barreira”, disse.

Filha de um inglês, a jovem foi motivada a entrar na natação por conta da mãe, que nasceu em Gana e chegou a ser referência da modalidade naquele continente. Antes do início da pandemia do coronavírus, aliás, Alice obteve o resultado mais expressivo da carreira enquanto profissional, tendo terminado entre os dez mais rápidos atletas na primeira etapa do Circuito Mundial, realizada em Doha.

Sobre a recente luta contra o preconceito que tomou o mundo, que teve início após o caso de George Floyd por conta da violência policial americana, Alice espera que a luta continue por mais tempo. “Normalmente, eu tenho ceticismo sobre esses movimentos, porque eles acontecem talvez uma vez a cada dois anos e depois fracassam. Mas quanto mais os dias se passam, e eu vejo como todos estão determinados a fazer a mudança acontecer. Fico esperançosa”, disse.

    Veja Também

      Mostrar mais