Tamanho do texto

Dupla da canoagem brasileira venceu a prova C2 500m em Portugal. Foi a terceira medalha de Isquias na competição

Isaquias Queiroz e Erlon de Souza faturaram medalha de ouro no Mundial de canoagem
Fotos públicas / Divulgação
Isaquias Queiroz e Erlon de Souza faturaram medalha de ouro no Mundial de canoagem

Isaquias Queiroz mostrou na manhã deste domingo que é um fenômeno do esporte brasileiro. Ao lado de  Erlon de Souza , o baiano conquistou sua segunda medalha de ouro no Mundial de canoagem que está sendo disputado na vila de Montemor-o-velho, em Portugal.

Leia também: Parceiro de Isaquias, Erlon buscou canoagem para fugir do calor na sua terra

Com o tempo de 1m40s043 no C2 500m, Isaquias Queiroz e Erlon de Souza subiram ao lugar mais alto do pódio, que foi completado pelas duplas Melantev/Chebotar, da Rússia e Sliwinski/Lubniewski, da Polônia.

Isaquias Queiroz em ação
Fotos públicas / Divulgação
Isaquias Queiroz em ação

Leia também: Isaquias Queiroz e Rafaela Silva vencem o Prêmio Brasil Olímpico

Mesmo largando mal, os dois fizeram uma prova de recuperação. Após a marca dos 20 metros, entretanto, eles conseguiram se igualar aos rivais e superaram o ritmo, abrindo boa vantagem e vencendo com certa facilidade até o fim do percurso.

Vale lembrar que a dupla brasileira foi vice-campeã olímpicos no C2 1000m, nos Jogos do Rio de Janeiro.

Com o ouro, Isaquias fechou sua participação no Mundial de canoagem com três medalhas. Foram outras duas conquistas individuais: ouro no C1 500m e bronze no C1 1000m. Já Erlon levou sua primeira medalha em águas portuguesas.

Em provas individuais, Isaquias Queiroz levou um ouro e um bronze
Fotos Públicas / Reprodução
Em provas individuais, Isaquias Queiroz levou um ouro e um bronze

Esse foi o quarto título mundial de Isaquias na carreira e a 10ª medalha no total. "Queria agradecer o professor Jesus Morlán e dizer que, no ano que vem, a gente vai brocar no C2 1000m", disse o brasileiro após a prova, prometendo vitória em outra categoria na próxima edição do Mundial.

Leia também: Com Erlon, Isaquias leva prata e se torna o maior brasileiro em uma Olimpíada

As provas de 500 metros não fazem parte do programa olímpico, por isso o projeto é focar em classes que estarão em disputa nas Olimpíadas de Tóquio, que acontecem em 2020.

“É uma prova que a gente não treinou. A gente sabia que éramos capazes. Infelizmente, não deu para pegar a final do C2 1000m, mas estou muito feliz”, disse Erlon, parceiro de Isaquias Queiroz na prova.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.