Fórmula 1 teve série contando os bastidores
Reprodução/Twitter
Fórmula 1 teve série contando os bastidores

Sucesso de público, Drive to Survive cativou muita gente que nunca ligou para a F1 e ajudou a categoria a se expandir como há décadas não acontecia. A Betway, site de apostas em F1,  conversou com pessoas relacionadas à F1 para entender sobre o sucesso da série.

“Drive to Survive é sobre Fórmula 1, mas na verdade é sobre drama interpessoal. Há jovens ricos que têm brigas de longa data e/ou histórias trágicas. Há chefes de equipe atacando uns aos outros por causa de motores e regulamentos obscuros. E há muitos pilotos batendo uns nos outros em carros engraçados. Basicamente, imagine ‘Real Housewives’, se as donas de casa estivessem dirigindo a 300 quilômetros por hora e, ocasionalmente, uma delas pegasse fogo”.

A descrição acima, da jornalista Byrd Pinkerton e publicada no Vox, é uma bela imagem e mostra o que Drive To Survive conseguiu fazer: transformar os dramas e histórias do esporte em grandes narrativas, como se fossem filmes ou, melhor ainda, um reality show, como Real Housewives, Casamento às Cegas e tantos outros que o público se acostumou a ver.


Em 2013, o filme Rush, do diretor Ron Howard, contou a história de uma grande rivalidade na F1 entre Niki Lauda e James Hunt. Muitas pessoas que nunca tinham acompanhado a F1 e sequer conheciam os personagens se encantaram com a história, mas a F1, nunca colheu quaisquer frutos – e nunca nem trabalhou para isso. No máximo, despertou nostalgia em fãs. Com Drive to Survive seria diferente. 

Sean Bratches, o ex-diretor administrativo de operações comerciais da Fórmula 1, foi o “padrinho de Drive to Survive”, segundo Paul Martin, produtor executivo da série. Ele foi parte da operação que fez a Liberty Media se tornar dona da Fórmula 1 em 2016 por US$ 4,4 bilhões. 

Leia Também

Leia Também

Bratches identificava o problema pelo qual Bernie Ecclestone, antigo dono da categoria, era criticado: a falta de presença digital. Ele identificava ali uma fraqueza da F1 e fechou um acordo com a Netflix, algo impensável na gestão anterior. A empresa contratada para transformar isso em realidade, a Box to Box Films, tinha uma missão clara: fazer algo muito diferente da cobertura ao vivo que já existia no esporte, segundo Paul Martin.

Não foi um processo simples, porque as duas principais equipes na época, Mercedes e Ferrari, se recusaram a participar do projeto. “Acho que havia uma sensação dos times de ‘vocês não sabem o que é este mundo’. Não acho que sabíamos e acho que eles estavam céticos se podíamos mesmo entregar o que estávamos dizendo”, contou Martin ao Guardian. “Queríamos entregar um retrato autêntico de como é realmente operar, viver e trabalhar no paddock”. 

Eles conseguiram. A série teve adesão de oito das 10 equipes da F1, que forneceram acesso, ainda que relutantemente, às equipes da Netflix. A relação de confiança foi criada e as informações sobre as gravações, do seu conteúdo aos segredos das equipes não vazaram. “Demos às equipes a segurança que eles precisavam. Elas gostariam de muito mais. Mas isso deu à Netflix a confiança para capturar algo que iria ressoar com os fãs e que não fosse uma bobagem qualquer, mas conteúdo genuíno de bastidores como nunca foi visto”, afirmou Ian Holmes, diretor dos direitos de mídia da Fórmula 1, ao Guardian.

O fato de não ter as duas principais equipes poderia ser um problema grave, mas isso não impediu o sucesso da série. Pelo contrário. A Haas, única equipe americana no grid, ganhou protagonismo com seu chefe de equipe, Günter Steiner, se tornando um dos personagens mais populares, assim como os dois pilotos da equipe, Romain Grosjean e Kevin Magnussen. Histórias como a de Charles Leclerc na Sauber, como o garoto prodígio, foram também muito populares. 

O sucesso da temporada de estreia mudou a opinião de Mercedes e Ferrari. “Me mostrou um novo ângulo para atrair uma nova audiência, diferente de como percebia a F1”, afirmou Toto Wolff, chefe de equipe da Mercedes, ao NY Times, ao explicar por que o time tinha mudado de ideia para a segunda temporada.

“Por muito tempo, foi um esporte muito fechado. Deixar algumas pessoas entrarem e mostrar a eles o quão incrível o esporte é, acho que é onde a série realmente fez bem para nós”, disse ao NY Times o piloto Daniel Ricciardo, atualmente na McLaren, um dos protagonistas da série com seu carisma e as mudanças de equipes vistas de dentro dos bastidores do paddock.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários