Djokovic
Divulgação
Djokovic

O tenista Novak Djkokovic está abalado mentalmente depois de ter sido expulso da Austrália. É isso o que afirma um dos seus treinadores, o eslovaco Marian Vajda, em entrevista publicada esta sexta-feira pelo diário desportivo "Sport".

De acordo com Vajda "é claro que isso (a deportação) o atingiu mentalmente, que o machucará por muito tempo e que será difícil tirar (o que aconteceu) de sua cabeça".

"No entanto, conheço muito bem o meu aluno. Novak é forte, perseverante e ainda não disse sua última palavra no tênis", disse ele.

Por outro lado, Vajda também criticou o anúncio antecipado que para disputar os torneios Roland Garros (França) e Wimbledon (Reino Unido) será necessário estar vacinado contra o coronavírus.

Leia Também

"Não entendo por que é importante anunciar isso sobre torneios que serão disputados em maio, quando o mundo não sabe o que vai acontecer com a pandemia no próximo mês. Não quero subestimar a situação, é muito grave, mas qual é o objetivo de discutir isso agora, em janeiro? Isso ainda é um esporte?", perguntou o técnico de Djokovic, que não estava com seu discípulo em Melbourne.

Vajda, que treina o tenista sérvio desde 2006, se reveza com o croata Goran Ivanisevic ao acompanhar Djokovic em torneios mundiais. "Mesmo em minha casa, em Bratislava, eu não conseguia dormir, porque não conseguia acreditar que algo assim fosse possível", lembrou o técnico sobre seus sentimentos durante a disputa com as autoridades de imigração australianas, a quem criticou duramente.

"Foi um processo político. Isso definitivamente terá consequências significativas. Será difícil voltar atrás. Também foi uma invasão de sua privacidade, de sua família", disse Vajda.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários