Acusados
Reprodução
Acusados

Os técnicos de basquete Larosa Walker-Asekere e Dwight Palmer, da Elite Scholars Academy, em Atlanta, foram indiciados pelo assassinato de Imani Bell, em agosto de 2019. Ela tentava entrar para o time de basquete e teve um colapso após subir as escadas do estádio de futebol americano. 

Segundo informações, a estudante 16 anos estava em um treinamento com temperatura de 38 graus, acabou tendo uma insolação. Mais tarde, ela sofreu uma parada cardíaca e falência renal. De acordo com a autópsia, ela sofria de hipertermia (resultante da incapacidade do corpo de regular o calor) e rabdomiólise (colapso do músculo esquelético).

Após dois anos do ocorrido, os dois treinadores foram formalmente acusados ​​por assassinato, crueldade contra crianças, homicídio involuntário e conduta imprudente. “Os réus a instruíram a vítima a seguir. Os réus observaram Imani experimentando os primeiros sinais de doença causada pelo calor durante os treinos ao ar livre, mas mesmo assim a orientaram a continuar realizando os exercícios de condicionamento com sua equipe e a subir os degraus do estádio", afirma parte do processo.

O relatório aponta ainda que os treinadores presentes no local deram água a Bell quando a viram ficar para trás durante os treinos. “Bell tentou correr com as meninas na última volta, mas não conseguiu e fez uma caminhada rápida. Um dos treinadores notou que ela estava cansada, então ele começou a caminhar na última volta com ela e a encorajou", apontou.

Vale ressaltar que uma regra da Associação do Ensino Médio da Geórgia proíbe treinos ao ar livre em temperaturas elevadas, assim como a constatada no dia da morte.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários