Tiger
Reprodução
Tiger

Após meses de investigação, a polícia concluiu que a velocidade excessiva foi a principal causa do acidente de carro envolvendo o jogador de golfe Tiger Woods , em fevereiro .

De acordo com o Departamento do Xerife de Los Angeles, ao passar por um trecho perigoso da estrada, o carro de Woods atingiu velocidades de 135 a 140 quilômetros por hora quando o golfista perdeu o controle. A velocidade máxima permitida no trecho do acidente era de 70km/h. Além disso, o veículo estava a 120 quilômetros por hora quando bateu em uma árvore.

Dos diversos testemunhos recolhidos no hotel onde se encontrava, soube-se que, devido ao atraso causado por outro cliente, Tiger atrasou-se para o clube onde tinha uma gravação.

A “caixa preta” do carro mostrou ainda que Woods nunca pisou no freio durante o incidente, em vez disso, apertou o acelerador, indicando que ele pode ter se confundido os pedais ao perder o controle.

"Normalmente, quando alguém entra em pânico ou tem algum tipo de interrupção repentina enquanto dirige, o pensamento inicial é pisar no freio. Nós acreditamos que ele possa ter feito isso, mas acabou pisando no acelerador, apontou James Powers, porta-voz do Xerife.

Segundo o policial, Woods não será julgado pelo excesso de velocidade e receberá apenas uma punição equivalente a uma infração de trânsito porque não há mais vítimas nem testemunhas.

O atleta comentou em uma rede social o que planeja. "Continuarei a focar na minha recuperação e na minha família, e agradeço a todos pelo apoio e pelo grande incentivo que recebi ao longo deste período tão difícil", escreveu Tiger.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários