TÓQUIO - O Comitê Organizador de Tóquio -2020 afirmou nesta quarta-feira que a possibilidade de postergar a decisão sobre um eventual adiamento dos Jogos Olímpicos em vários meses "não é necessariamente a visão coletiva do Comitê Olímpico Internacional (COI)" e insistiu que o evento acontecerá nas datas programadas. A declaração foi dada após os comentários feitos pelo canadense Dick Pound, membro do COI, em entrevista à agência AP, na terça-feira. Ele afirmou que se o surto do coronavírus se tornar muito perigoso para a Olimpíada os organizadores vão optar pelo cancelamento dos Jogos no lugar de adiá-los.

Leia também: Coronavírus obriga Grécia a mudar planos de acender chama olímpica

olimpiadas arrow-options
Reprodução/Instagram
Olimpíadas acontecem em agosto


Pound também destacou que, em todo caso, há um período de dois a três meses para decidir o futuro de Tóquio-2020, apesar de insistir que os Jogos Olímpicos deverão acontecer nas datas previstas e "tudo seguirá como sempre".

O COI reiterou que os preparativos para os Jogos continuam conforme o planejamento inicial. Ao comentar as declarações, o comitê citou Pound porque "explica muito bem que o COI segue trabalhando para iniciar com êxito os Jogos no final de julho".

A entidade também mencionou as medidas adotadas para enfrentar as doenças infecciosas e ter uma Olimpíada segura. Assegurou ainda que "analisará todas as medidas que podem ser necessárias" com todos os envolvidos no evento.

"Tóquio-2020 foi informado que "a janela de três meses (mencionada por Pound) não é necessariamente a visão geral do COI".

Sobre o assunto, o porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, disse que o comitê recebeu informações de que as declaração não são a opinião oficial do COI.

O ministro dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, Seiko Hashimoto, também insistiu que as palavras do diretor canadense "não são a posição oficial da entidade" e que os preparativos seguem normalmente.

Leia também: Coronavírus: Comitê garante Olimpíada, mesmo após primeira morte no Japão

Japão registrou até o momento 164 casos de coronavírus, além de cerca de 700 pessoas infectadas a bordo de um navio atracado no porto de Yokohoma, ao sul de Tóquio. Já morreram cinco pessoas infectadas ou com suspeitas de contágio.

    Veja Também

      Mostrar mais