Tamanho do texto

Nascida em Pinhão, Aline Rocha, de 27 anos, será a primeira mulher do país a participar da competição. Nenhuma esteve nas 11 edições anteriores

A participação da paranaense Aline Rocha , 27 anos, nos Jogos de PyeongChang, na Coreia do Sul, vai entrar para história do esporte adaptado do Brasil. A atleta do esqui cross-country será a primeira mulher brasileira a disputar uma edição dos Jogos Paralímpicos de Inverno . Na competição, cuja cerimônia de abertura será em 9 de março, o Brasil ainda será representado pelo também esquiador rondoniense Cristian Ribera e pelo snowboarder André Cintra.

Leia também: Delegação brasileira chega a PyeongChang para os Jogos Paralímpicos de Inverno

Aline Rocha se prepara para prova do esqui cross-country
Divulgação
Aline Rocha se prepara para prova do esqui cross-country

Nascida em Pinhão, Aline sofreu um acidente de carro aos 15 anos que lhe causou uma lesão medular e a perda dos movimentos das pernas. Iniciou sua trajetória no esporte praticando atletismo em um clube de Joaçaba (SC), onde morava, quatro anos após ter se acidentado. Lá, conheceu o atual marido e técnico Fernando Orso. Foi ele quem a incentivou a participar de corridas em cadeira de rodas e, também, a se aventurar na neve após os Jogos do Rio 2016. 

Mais do que ser pioneira na neve, ela ainda faz parte do seleto grupo dos atletas com participações em Jogos Paralímpicos de Verão e de Inverno. No Rio 2016, disputou no atletismo os 1.500m, os 5.000m e a maratona na classe T54 (para cadeirantes).

Leia também: Conheça os três brasileiros que vão aos Jogos Paralímpicos de Inverno deste ano

“A escolha do esporte de inverno surgiu como uma ideia de lutar por algo diferente, difícil, porém possível. Eu e o Fernando percebemos que alguns atletas corredores em cadeira de rodas utilizavam o esqui cross-country para complementar seus treinos e migravam para a modalidade na temporada de neve. Então, entendemos que, além de um grande desafio, a prática do cross-country poderia contribuir muito para minha condição como atleta”, explica ela, que passou a competir na neve com um sit-ski, esqui adaptado para pessoas com deficiências nos membros inferiores.

O experimento deu tão certo que Aline garantiu a classificação para os Jogos de PyeongChang antes de todos. A vaga veio em dezembro do ano passado, na etapa canadense da Copa do Mundo de esqui cross-country, após completar duas provas (sprint e 5km) abaixo do índice exigido. Mais do que ser pioneira na neve, ela ainda faz parte do seleto grupo dos atletas com participações em Jogos Paralímpicos de Verão e de Inverno. No Rio 2016, disputou no atletismo os 1.500m, os 5.000m e a maratona na classe T54 (para cadeirantes).

“Pela minha experiência, acho muito mais difícil fazer 12km na neve do que uma maratona na cadeira de rodas. A neve exige e muda muito de um lugar para o outro”, comenta. Na Coreia, Aline disputará três provas: 12km (dia 10/3), sprint (dia 13/3) e 5km (dia 17/3). “Minha expectativa é ficar no top 10 na prova longa e, quem sabe, conseguir uma semifinal ou final no sprint”, planeja.

Leia também: Ela detestava esporte, mas hoje é esperança de medalha nas Paralimpíadas do Rio

Os Jogos Paralímpicos de Inverno de PyeongChang 2018 reunirão mais de 650 atletas de 46 países. Além do snowboard e do esqui cross-country, estão no programa nesta edição o biatlo, o esqui alpino, o curling em cadeira de rodas e o hóquei em trenó. No total, serão disputadas medalhas em 80 eventos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.